Por uma educação infantil que não tire a infância das crianças!

Por uma educação infantil que não tire a infância das crianças!

Colégio Sidarta

19 Agosto 2016 | 18h49

Quando falamos em Educação Infantil, muitos ainda respondem “você está falando da pré-escola?”. Não! Estamos falando de um lugar que não é um preparatório para a escola, mas que é um local de valorização desta fase tão importante da vida – a infância!

Como é sabido, ser criança não é sinônimo de ter infância. O direito a infância pressupõe uma série de experiências que aguçam a curiosidade, que dão espaço para a criação, a autoria, o jogo simbólico, o imaginário, a vivência com a natureza, enfim, pressupõe que a criança brinque! Porque é pelo brincar que ela se apropria do mundo que a cerca, é pelo brincar que ela ocupa diferentes papéis e é pelo brincar que ela explora suas hipóteses.

Mas então, por que é que as pessoas “escolarizam” a infância? Por que as salas de aula não encantam as crianças? Por que as escolas não são ambientes que convidam as crianças para explorar?

Estas foram algumas das muitas reflexões que inquietaram nossa equipe e provocaram a criação de um modelo disruptivo de ambientes para nossa educação infantil. Essa decisão deu-se, primeiramente, por sermos pesquisadores da primeira infância. Nossos estudos e projetos estão sempre alinhados às tendências internacionais de educação para este segmento. Também, por estamos pautados em inúmeras pesquisas que evidenciam a potencialização do nível de aprendizagem dos alunos quando expostos a ambientes exploratórios.

Sendo assim, nosso projeto de alteração do ambiente teve embasamento, e nossos alunos ganharam “estúdios de exploração” no lugar de “salas de aula”.

Os espaços são organizados de forma a fazer com que as crianças tenham múltiplas vivências, testem suas hipóteses, explorem um mundo tridimensional e se sintam apoiadas e acolhidas para ultrapassar seus limites.

Desenhados para estimular a curiosidade, a socialização, a experiência e o desenvolvimento motor e cognitivo das crianças, os quatro estúdios são divididos em quatro áreas de exploração: construção, luz e sombra, artes, e jogos simbólicos.  Semestralmente, as propostas são alteradas para amplificar as possibilidades e experiências das crianças.

Dentro desta perceptiva, o brincar é aliado e ganha ainda mais destaque, como um recurso fundamental de aprendizagem.  Com esta escolha reforçamos nosso papel de guardiões da infância e nosso compromisso em proporcionar as melhores memórias deste período escolar.