Eleições gerais: conscientização e participação

Eleições gerais: conscientização e participação

Cris Marangon

03 Outubro 2018 | 10h25

O processo eleitoral é o melhor caminho para a consolidação da democracia e o exercício de uma cidadania plena e saudável

por Leandro Constantino*

Estamos a poucos dias do primeiro turno das eleições gerais no Brasil. Neste ano, elegeremos um presidente e seu vice, 27 governadores e seus vices, 54 senadores e seus suplentes, 513 deputados federais e 1059 deputados estaduais.

Se imaginarmos, apenas por um exercício lúdico, que o país é uma empresa, estamos diante de um amplo processo seletivo onde contrataremos pessoas para administrar e fiscalizar a utilização dos recursos públicos, tanto no âmbito da união como no dos estados. Será que você abriria mão do poder de contratar os funcionários que se responsabilizarão pelo uso do dinheiro de nossos impostos?

Por essa razão, independentemente do quanto possamos estar enfadados do noticiário dos escândalos ou pouco empolgados com as alternativas postas, é preciso olhar atentamente o quadro e não se eximir de participar do processo eleitoral em três etapas distintas:

  1. ANTES: pesquisar os candidatos, suas biografias, suas propostas e quem são seus aliados na disputa eleitoral, a fim de que possamos ter plena consciência da escolha que faremos. Afinal, ninguém contrataria um funcionário sem antes dar uma olhada em seu currículo e realizar uma boa entrevista com ele.
  2. DURANTE: participar do processo eleitoral, exercendo o direito de voto tão fundamental em uma democracia como a nossa, tendo em mente de que se não formos votar, alguém o fará em nosso lugar. Cabe a questão: se abrimos mão de escolher o funcionário, como poderemos opinar sobre suas qualidades e seus defeitos?
  3. DEPOIS: fiscalizar e cobrar os candidatos eleitos, a fim de que eles conduzam seus mandatos com coerência, conforme aquilo que prometeram durante as campanhas eleitorais. Precisamos ter em mente: funcionário bom é aquele que é permanentemente avaliado e chamado a exibir seu melhor desempenho.

O Sidarta acredita que a conscientização e a participação acerca do processo eleitoral é o melhor caminho para a consolidação da democracia e o exercício de uma cidadania plena e saudável.

*Leandro Constantino é professor de Advocacy, do Colégio Sidarta, em Cotia (SP)