RAP Project: Vivenciando Diferentes Expressões Artísticas

RAP Project: Vivenciando Diferentes Expressões Artísticas

Cesar Pazinatto

16 Setembro 2016 | 15h36

No primeiro artigo sobre o RAP Project, falamos sobre a aproximação dos alunos de 6o ano à cultura hip-hop iniciada nos Estados Unidos na década de 1970. Esse projeto é parte fundamental do currículo bilíngue na See-Saw Panamby, e a cada ano tem crescido e ampliado sua relevância dentro do contexto acadêmico e artístico da escola.

A parte central e essencial desse projeto está baseada na linguagem escrita e falada, que é extensivamente trabalhada em sala de aula. No entanto, percebemos que para que os alunos realmente mergulhassem nessa cultura tão diferente e fascinante, precisaríamos proporcionar a eles essas oportunidades. E foi isso que fizemos, trouxemos para a escola outros elementos além da música, história e poesia, ampliando o conhecimento e interesse pelo RAP.
Nos últimos anos, a professora de Artes Manuela Machado iniciou um trabalho de investigação visual do hip hop, falando sobre a arte do graffiti, e o uso de “tags”, que são a identidade gráfica do artista nesse meio. Já em 2015 pudemos contar com os dançarinos Henrique Bianchini e Evandro Silva Smile que ofereceram um workshop de dança e uma palestra sobre o movimento do hip-hop desde o seu começo até os dias de hoje. Em 2016, além da presença de Smile, pudemos contar com um workshop do ex-aluno e artista Ian Armelin de Haro, que fez uma apresentação detalhando funções, fundamentos e técnicas de graffiti, assim como dando uma aula prática de grafitagem onde os alunos puderam experimentar uma nova forma de expressão. Ian e Manu acompanharam os alunos na criação de um painel teste, onde os alunos puderam colocar em prática não só o conteúdo aprendido nas aulas de artes, como também dicas de um artista atuante na área.
Ao final de um semestre repleto de novas experiências e aprendizados, conseguimos perceber como esse processo afeta positivamente não só a apresentação final do projeto, mas também como toca e modifica a percepção de mundo dos nossos alunos.

Lia Armelin
Middle School Coordination