BRAZILE GOOD, IRAN NO GOOD!

BRAZILE GOOD, IRAN NO GOOD!

Equipe See-Saw Panamby

12 Novembro 2015 | 15h58

Location Syria. Green pin on the map.

Por Sonia Maria Chaves Mendes, professora de História na Escola Bilíngue See-Saw Panamby

Assim falavam os iraquianos, principalmente crianças e adolescentes, para os brasileiros que, durante a Guerra Irã-Iraque trabalhavam ao sul da Antiga Mesopotâmia, às margens do Rio Eufrates, no Projeto Sifão da MJICO (Mendes Jr International Company).

A partir dos anos 1970 ocorreu um processo de salinização em terras férteis do Iraque e da Líbia. O Projeto Sifão visava dessalinizar as áreas iraquianas. Um alojamento foi construído no sul do Iraque, a 14 km da cidade de Nassirya e a 30 km de Ur, local de onde, na tradição judaico-cristã, Abraão teria partido para a Terra Prometida. Técnicos, engenheiros e suas famílias passaram a morar no local. Eram brasileiros, franceses, estadunidenses, italianos.

A Mendes Jr. contratou o Colégio Pitágoras de Belo Horizonte (MG) para instalar uma escola que ia da Pré-Escola até o Ensino Médio. Ao voltarem para o Brasil os alunos continuariam seus estudos na série para a qual tinham sido aprovados.

Fui trabalhar como Professora de História e Geografia numa oportunidade única de, além de lecionar, ter a possibilidade de conhecer, além do Oriente Médio, o Sudeste Asiático e o Extremo Oriente.

Possibilidade de conhecer um povo alegre, extremamente musical e apaixonado por cores fortes em oposição aos tons cinzentos dos desertos vizinhos. Embora vivesse sob uma das mais cruéis ditaduras da região.

Já imaginaram poder ter uma aula sobre a Babilônia no que restou de uma das Sete Maravilhas da Antiguidade?

Falar do Império Assírio, de Nínive e ter a chance de passar nesses locais, hoje dominados pelo ISIS?

Conhecer museus em Bagdá e em Mossul? Locais saqueados e com material arqueológico importantíssimo destruído no século XXI em nome do fanatismo e do preconceito.

Poder estudar a civilização egípcia sabendo que muitos dos seus alunos tinham visitado a Terra dos Faraós e que outros iriam conhecer as pirâmides egípcias?

Analisar a cultura e a civilização da Grécia Antiga que, nos prolongados feriados muçulmanos, era o destino de muitas famílias brasileiras? Assim como a Índia.

Percorrer a Terra Santa? Caminhar pela Grande Muralha da China?

Entender um pouco do processo e do percurso que trouxe a espécie humana até os dias de hoje?

Alunos e Professores relacionando a prática da sala de aula a alguns dos locais históricos mais importantes para a Humanidade.