Ensino bilíngue e os ganhos cognitivos de crianças e adolescentes

colegioportouniao

03 Março 2016 | 14h10

Em São Paulo, o Colégio Porto União, além do inglês, adicionou o espanhol à grade como um complemento necessário à formação dos alunos

Estudos comprovam os ganhos cognitivos, lógicos do ensino bilíngue. Se antes pais e professores temiam que um segundo idioma pudesse atrapalhar a alfabetização e o ensino regular das matérias, hoje, a prática é celebrada por educadores. No entanto, muitos pais ainda possuem dúvidas sobre a eficácia do método.

O estudo da Université de Provence, na França, mostra que crianças bilíngues não confundem os dois idiomas, dúvida frequente dos pais, e, além disso, tendem a ser mais focadas nas tarefas e a ter maior capacidade de concentração, isso porque para diferenciar os dois idiomas estes alunos precisam estar mais atentos à aula.

Alunos do Jardim A/B do Colégio Porto União aprendendo as emoções em inglês de maneira divertida

Ao pensar o ensino bilíngue pelo viés da alfabetização, entende-se que para a criança um mesmo objeto terá dois sons, duas escritas e um mesmo significado. Isto, para o cérebro em formação, tem um significado imenso, porque trabalha a questão do “outro” desde cedo – outras culturas, outros modelos de vida.

O Porto União adotou o ensino bilíngue, Inglês/Português e, este ano, acrescentou o Espanhol à grade curricular, com um diferencial: Nas aulas há a lousa, o caderno e a caneta, mas também o tablet para as atividades dos alunos, lúdicas, mas também de ensino regular.

Educar é estar atento também as novas demandas dos alunos, por isso sentimos a necessidade de aumentar a carga horária das aulas de Inglês para o 4 e 5 anos do Fundamental I e todo o Fundamental II. Para o Espanhol, dobrou-se carga horária para os alunos do 2° ano ao 9° ano do Ensino Fundamental e para os pequenos, do 1° ano, o contato com o novo idioma se dará uma vez por semana – os pequenos adoram.

Para o Porto União, o aprendizado de um novo idioma é tão necessário que não poderíamos oferecer aos pais e alunos como um “extra”. As aulas estão inseridas na grade curricular regular e não são cobradas à parte. A instituição entendeu que os dois idiomas não são um complemento para a formação acadêmica dos alunos, são uma necessidade para a futura vida profissional e acadêmica

A principal meta de uma escola é preparar os alunos para que possam ser produtivos à sociedade na vida adulta, logo é preciso atualizar a prática do ensino e incluir matérias que, há 30 anos, não eram necessárias. Ainda mais, com os ganhos apresentados. Crianças bilíngues mostram mais capacidade de resolver problemas lógicos e matemáticos, também por conta da estimulação intelectual que o bilinguismo exige.