Respeito é bom e eu gosto!

Respeito é bom e eu gosto!

Colégio Pentágono

29 de novembro de 2017 | 15h39

 

Diversidade é a bola da vez. Ainda bem, pois o mundo está ficando cada vez mais complexo e a possibilidade de discutir questões sobre as novas relações entre os seres humanos é muito saudável.

Por diversas razões, que não vamos detalhar neste texto, em todo o mundo, muitos habitantes estão deixando seu território de origem e tentando recomeçar suas vidas em outros países. Esse fenômeno possibilita o encontro e o convívio de diferentes culturas, costumes e religiões, e acentua a necessidade de prepararmos nossas crianças para essa realidade. A humanidade passa por grandes desafios e precisa aprender a lidar com o diferente.

Em todas as situações em que há novas conformações sociais, observa-se que, quando o respeito, a solidariedade e o amor prevalecem, a comunidade tem muitos benefícios.

O Colégio Pentágono tem um trabalho bastante consistente em relação às competências socioemocionais e, desde a Educação Infantil, nossos alunos são incentivados a reconhecer e conviver harmoniosamente com as diferenças.

Todos os seres vivos, dos mais simples aos mais complexos, são dotados de um sistema de reconhecimento dos seus iguais; é a natureza trabalhando para a preservação e a perpetuação das espécies. Estranhar o diferente faz parte do processo de sobrevivência. É muito natural que alguns bebês “estranhem” rostos que não lhes são familiares. Esta é uma forma de se proteger dos perigos. Como somos humanos e desenvolvemos a cultura e a educação, aprendemos que o diferente nem sempre nos ameaça e, pelo contrário, podemos conviver e compartilhar nossas experiências.

Se considerarmos cada uma das famílias de nossos alunos, vamos observar uma variedade significativa nos costumes, nas religiões, nas raças de origem, mas essa diversidade favorece o bom desenvolvimento das crianças, pois o convívio respeitoso possibilita exercitar a flexibilidade cognitiva, uma das competências socioemocionais mais requisitadas no mundo globalizado em que vivemos.

Saber conviver com o diferente não quer dizer que as crianças tenham que abandonar os valores familiares. Muito pelo contrário, a família sempre será o ponto original de apoio, mas eles estarão mais fortalecidos para lidar com os desafios do mundo contemporâneo.

A empatia, outra competência muito importante, possibilita se colocar no lugar do outro para compreender como ele se sente, porém, não significa se tornar o outro.

Mais do que nunca, escola e família precisam estar alinhadas nos valores relacionados ao respeito e ao combate ao preconceito, para que as crianças continuem se indignando, como aconteceu no episódio abominável, em que um adulto atacou covardemente a filha de atores brasileiros, pelo simples fato de ela ter origem africana. Nossas crianças desaprovaram, ainda bem!

Heloisa Porto Alegre
Orientadora Educacional do Colégio Pentágono

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.