Protagonismo, a bola da vez!

Protagonismo, a bola da vez!

Colégio Pentágono

27 Junho 2018 | 10h00

O termo protagonismo tem sido muito explorado nos últimos tempos e não é à toa, afinal, estamos no século XXl e a nossa vida está sendo afetada pelos avanços que o conhecimento e as grandes transformações promovem a todo momento. Somos convocados a reagir a isso e a deixar a zona de conforto.

Protagonista – ator, atriz, intérprete principal – deriva do grego protagonistes, em que “protos” significa principal ou primeiro e “agonistes” significa lutador ou competidor. Essa informação pode ser encontrada, facilmente, na internet. Esta palavra migrou do teatro grego para o teatro da nossa vida real, em que até nossas crianças têm seu protagonismo, quer seja dentro do núcleo familiar ou no espaço escolar, onde pode atuar sem a presença física dos pais.

Aqui no Colégio Pentágono, levamos muito a sério o que diz o grande educador Paulo Freire: “Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção”. Esse posicionamento diante da aprendizagem implica o professor num outro papel importante no teatro da vida escolar: o papel de mediador, aquele personagem que vai provocar, incentivar e orientar a atuação dos alunos na produção do próprio conhecimento.

Produzir o próprio conhecimento traz para as crianças possibilidades muito interessantes que contribuem para que eles possam desenvolver as também tão comentadas competências socioemocionais. Exercer a liberdade e a criatividade no processo de aprender demanda responsabilidade e autonomia, qualidades essenciais para o sujeito do nosso século.

Nossas crianças e jovens são naturalmente curiosos e dotados de uma vontade muito grande de aprender. Cabe a nós, adultos, não impedirmos o desabrochar desse ser criativo, promovendo um ambiente favorável para a realização do potencial de cada um deles. Precisamos ser cuidadosos e atentos, acompanhando e dando suporte, se necessário, de forma que eles percebam que estamos por perto, mas não tão perto que eles não tenham espaço para serem eles mesmos e realizarem seus projetos de vida.

Atenção verdadeira e reconhecimento são fundamentais para o bom desempenho de nossos pequenos atores. Ouvir suas ideias, orientar suas escolhas e acompanhar o desenvolvimento do trabalho que realizam são posturas que nós, adultos, precisamos adotar para compartilhar com eles os seus sonhos.  Eles precisam ser encorajados a enfrentar os desafios, persistir em suas investigações e concluir seus projetos.

Ser capaz de realizar algo que traga benefícios para si e para o outro é um dos grandes segredos da felicidade. Acreditem!

Heloísa Porto Alegre
Orientadora Educacional do Colégio Pentágono