Professores participam de formações digitais para os novos desafios da educação

Professores participam de formações digitais para os novos desafios da educação

Colégio Pentágono

22 de março de 2021 | 16h08

Com investimento constante, docentes fazem imersão em metodologias de aprendizagem ativa e recebem incentivo para conquistar certificados do Google for Education  

Mais que preparar a escola com equipamentos de ponta para aulas cada vez mais disruptivas e digitais, o  Colégio Pentágono investe para que os professores se atualizem das mais inovadoras ferramentas e recursos de ensino. Metodologias Ativas, Aula Invertida e Aprendizagem Baseada em Projeto são alguns termos que vêm rondando o universo da educação e envolvem a tendência de colocar o estudante no centro do processo, em que ele se torna protagonista de sua própria trajetória escolar, e de vida.  

O desafio do momento é desenvolver aulas que garantam a motivação e o engajamento de um aluno que deseja ir para a sala de aula para dialogar com os colegas e professores e não ser apenas ouvinte. “Com o acesso que nossos estudantes têm a todo o tipo de informação que precisam, a nova função do professor é mostrar o caminho para usar todo esse conteúdo de forma correta e responsável. A função da escola será proporcionar um ambiente que encoraje o debate e garanta o engajamento e a motivação dos alunos”, diz Patrícia Nogueira, Diretora Pedagógica da rede do Colégio Pentágono. 

A mudança constante depende fortemente do preparo dos docentes e, no Pentágono, os professores são incentivados a fazerem diversos cursos de formação. A pandemia trouxe à tona o uso intensivo do ensino híbrido e, focando nessa transformação, os professores estão passando por diversos cursos para tornar a aula híbrida mais interessante para todos.  

Desenvolvido pelos educadores Lilian Bacich e Leandro Holanda, da Tríade Educacional, o curso Aprendizagem Baseada em Projetos foca na conexão entre diferentes áreas, permitindo que os professores incluam objetos de conhecimento de diferentes áreas para criar projetos que remontam a vida real. “Nessa formação, os docentes são capacitados a desenhar um planejamento centrado no estudante, bem como incentivados a trabalhar em parceria com professores de outras áreas para que o ensino seja cada vez mais significativo. Além disso, eles serão capazes de identificar a correlação de todas as competências que precisam ser desenvolvidas em conjunto dentro dos projetos”, explica Lilian Bacich 

“Durante as aulas do curso, os professores têm contato com diversas ferramentas digitais e analógicas, mas entendemos que o mais importante é que eles sejam capazes de desenvolver metodologias de planejamento, acompanhamento e avaliação de projetos”, diz Lilian. “O diferencial da abordagem é o foco nas relações humanas e no desenvolvimento de competências gerais como empatia, colaboração, responsabilidade, cidadania, investigação científica e outras. A tecnologia entra como recurso de aprendizagem, nunca com um fim em si mesma”, conclui. Com 10 horas de duração, os professores têm três encontros síncronos e atividades assíncronas para serem feitas ao longo das semanas. 

Em parceria com a Nuvem Mestra, consultoria de tecnologia educacional, o Pentágono também inovou ao desenvolver a oficina “Criando Rotas: sala de aula invertida”, metodologia que também desempenha um papel importante em colocar o aluno no centro e hoje é aplicada em outras instituições de ensino. Por meio dela, os professores enviam com antecedência os conteúdos que serão abordados durante a aula, com o objetivo que o aluno chegue preparado para dialogar com o grupo o que aprendeu e pesquisou sozinho.  

Google for Education 

Na ponta digital da formação dos professores, o Pentágono incentivou os docentes a fazerem os cursos preparatórios do Google, que habilitam o uso profissional e assertivo de todas as ferramentas da plataforma Google for Education. “São três níveis de formação: 1, 2 e Google Instrutor. Os professores passam por aulas sobre uso de ferramentas como YouTube, planilhas, Google Earth, apresentações, tudo o que podem usar em aulas e, como suporte, a escola faz um simulado para que os docentes testem seus conhecimentos antes da prova oficial do certificado“, diz Marcelo Geraissati Martins, Coordenador de TI da escola. “O Pentágono já utiliza a plataforma Google for Education há quatro anos, o que facilitou bastante a transição rápida para o ensino remoto logo no início da pandemia. A formação dos professores na ferramenta é importante para que as aulas aproveitem ao máximo os recursos disponíveis”, explica Marcelo. 

No início do ano letivo, os docentes que conquistaram as certificações Google receberam números para concorrer em um sorteio de cinco notebooks de alto desempenho realizado pela escola. 

Histórico de inovação – Pentágono 50 Anos 

A formação constante dos docentes do colégio é um dos principais pilares que ajudaram a construir o Pentágono como uma instituição de ensino preocupada em formar estudantes com o que há de mais moderno e disponível no mercado. Atenta às tendências de educação, mudanças são feitas anualmente para atender as necessidades dos alunos, como por exemplo, criar aulas em que o diálogo é mais presente e que todos podem aprender com o conhecimento do outro.  

Além desse investimento em cursos, o Colégio também inova na estrutura da sala de aulas e na disponibilização de recursos digitais. “Temos uma história consistente de inovação em nossos 50 anos de existência, mas comemoramos esse marco olhando para o futuro e o que nossos alunos vão precisar para desenvolver a própria aprendizagem e suceder em qualquer trajetória que escolham seguir”, diz Patrícia Nogueira. 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.