Percursos e Conquistas de Aprendizagens

Percursos e Conquistas de Aprendizagens

Colégio Pentágono

04 Novembro 2015 | 09h29

Educação

A missanga, todos a veem. Ninguém nota o fio que, em colar vistoso, vai compondo as missangas. Também assim é a voz do poeta: um fio de silêncio costurando o tempo”. – Mia Couto

Percurso significa um espaço percorrido e, na escola, um caminho criado por professores e alunos durante um ano letivo compondo, assim, as conquistas de aprendizagens.

Só há conquistas e percursos, se há protagonistas, professores e alunos, mas o que faz alunos e professores terem um caminho de conquistas?

Os Valores do colégio, o currículo e o planejamento, a responsabilidade com o ensino, as autorias que sustentam o sentimento de pertencimento do grupo ao projeto, a narrativa do estudo pelo significado e as devolutivas/feedbacks.

No Colégio Pentágono, ao final do ano letivo, alunos e professores de cada ano do Ensino Fundamental I celebram as conquistas de aprendizagens apresentando um recorte/síntese de um estudo significativo do grupo, à comunidade escolar.

Os aprendizes colocam em prática a capacidade de inquirir, observar e comparar, experimentar, pesquisar e documentar suas investigações, concretizando assim, suas narrativas e autorias de seus percursos dos saberes.

Temas voltados à leitura e escrita com compreensão, ao raciocínio lógico e à resolução de diversas situações-problema que cada disciplina propõe e desafia, permanências e mudanças do contexto histórico em que vive e atua, trabalho em grupo, o uso de diferentes linguagens e procedimentos para a aquisição de conceitos, entre tantas outras vivências significativas ao grupo são objetos de estudos escolhidos para a apresentação.

Alunos e professores socializam o processo de construção e, à medida que compartilham, retomam e reconstroem, também, seu processo de ensino-aprendizagem, suas descobertas, seus planos e projetos, suas curiosidades, indagações e sua busca pelas respostas das muitas perguntas e problematizações que os motivaram ao trabalho. Dessa maneira, acontece a metacognição, ou seja, a apropriação do seu processo de aprendizagem.

Aristóteles, em sua obra “A Metafísica”, afirma: (…) Todos os homens enquanto crianças têm, por natureza, desejo de conhecer (…).

Nas muitas atividades lúdicas e na perseguição da grande pergunta ou problema proposto, o sujeito inteligente adquire o gosto de jogar com ideias, de tomar decisões, de aplicar e desenvolver habilidades e estratégias de trabalho, além de brincar com os pensamentos e de inventar novos lugares e possibilidades para suas aprendizagens atuais e futuras.

São muitas as contas de uma missanga, cada uma com sua particularidade, que por meio de um fio, monta um colar vistoso. Assim é a sala de aula, cada aluno (a) e professor (a) com seus desejos e interesses diversos, constrói coletivamente, durante o ano letivo, uma narrativa significativa de estudo e partilha por meio de diferentes linguagens, seus percursos e conquistas.

Por,
Adriana Bulbovas Melo,
Coordenadora Geral do Ensino Fundamental I