Pequenos grandes cidadãos

Pequenos grandes cidadãos

Colégio Pentágono

29 Março 2017 | 09h07

BlogdosColégios_29.03

Muitas gerações de crianças cresceram ouvindo de seus professores que eram o “futuro do país”. As palavras, fortes e animadoras, muitas vezes, resumiam-se a isso: palavras. Com exceção dos bons professores, muito pouco se fazia de concreto para a formação de cidadãos conscientes.

Estudiosos da primeira infância afirmam que é na fase de zero a seis anos que se dá a formação dos pequenos cidadãos e que este período é a base para todas as aprendizagens humanas, sendo fundamental investir na transmissão de valores, como tolerância e solidariedade, também dentro da escola.

Exemplos de sucesso nessa formação foram revelados na ocasião da Copa do Mundo de 2014, quando, ao término dos jogos, o mundo viu os japoneses limpando a sujeira deixada por outros turistas nos estádios. Fica a pergunta: o que o Japão faz para atingir esse nível de cidadania?

O Colégio Pentágono, desde as primeiras séries do Fundamental I, desenvolve um trabalho direcionado à construção da cidadania e à convivência harmoniosa em seus grupos heterogêneos, propiciando o desenvolvimento de habilidades socioemocionais fundamentais e o aprendizado de valores éticos. Por meio de várias propostas, as crianças participam da tomada de decisões, de debates e votações, elegendo, por exemplo, duas delas como representantes de classe.

Os eleitos têm como função levar questões relevantes de seu grupo à Direção. Os temas escolhidos seguem três critérios: o que criticam, o que sugerem e o que elogiam no cotidiano da escola. Esses assuntos são, então, levados à Coordenação e, finalmente, à Direção. No processo, os alunos percebem que são participantes ativos nas mudanças e que têm muitas de suas sugestões validadas, tornando-se, assim, protagonistas do processo educativo.

Indispensável mencionar a participação da família na formação do cidadão, o que se dá fundamentalmente por meio do exemplo e da coerência nas atitudes diárias. Maria Irene Maluf, psicopedagoga especializada em neuroaprendizagem, em São Paulo, afirma que “as crianças percebem a interligação entre os papéis de cada pessoa da família e como o bem-estar depende de todos”. Reforça que tal noção apenas é ampliada na escola, mas, quando a criança não vivencia esses princípios com os pais, terá maiores dificuldades em fazê-lo fora de casa.

Um cidadão se forma com exemplos. Os exemplos devem vir da família e da escola. As crianças precisam perceber coerência no discurso, por meio das práticas.

As crianças são coerentes!

“A formação de um aluno que reflete, participa e assume responsabilidades, sendo esta conquista da autonomia condição imprescindível para alcançar o pleno exercício da cidadania e de uma integração com a cultura mais ampla.” (PCN, 1996)

Denise Desiderá
Diretora da Unidade Alphaville
Colégio Pentágono