OBMEP: projeto que favorece a formação do pensar matemático

OBMEP: projeto que favorece a formação do pensar matemático

Colégio Pentágono

21 de fevereiro de 2022 | 09h27

*Por Patrícia Cândido

O Colégio Pentágono visualiza a Matemática como uma ciência de resolução de problemas, presente em nosso cotidiano em situações variadas. Por isso, utilizamos metodologias que priorizam o ensino contextualizado, consideram o processo de formação do pensar e buscam a formação do letramento matemático. Todavia, embora precisemos dela para viver em sociedade, calcular, formular hipóteses, compreender fenômenos, resolver situações-problema, construir representações significativas e argumentar de modo consistente em múltiplos contextos, nem todos a utilizam com proficiência.

À vista disso, cientes da importância da oferta de condições adequadas para o desenvolvimento das habilidades e competências dos nossos educandos, bem como a valorização dos docentes de Matemática, há cinco anos, temos participado da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas — OBMEP, um projeto que reúne participantes das escolas públicas e privadas de todo o Brasil e objetiva estimular o estudo significativo da Matemática, um componente curricular imprescindível para o raciocínio, o pensamento lógico, a criação de sistemas abstratos, o que favorece o planejamento de ações pessoais com vistas à  elaboração do propósito de vida dos sujeitos.

Realizado pelo IMPA — Instituto de Matemática Pura e Aplicada, com o suporte da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), e financiada com recursos do Ministério da Educação (MEC) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), a OBMEP caracteriza-se como uma oportunidade de alunos e professores de diferentes redes de ensino participarem de uma iniciativa que visa a busca por estratégias adequadas para o estudo de cálculos e resolução de problemas, posto que não se trata apenas da aplicação de testes. Ela é composta por duas fases: na primeira, os estudantes respondem a questões objetivas, e, na segunda, a questões discursivas.  Os participantes são divididos em três níveis: o primeiro para 6º ou 7º ano do Ensino Fundamental; o segundo para 8º ou 9º ano do Ensino Fundamental; e o terceiro para Ensino Médio.

Por meio dela, é possível ter acesso a uma rede de pessoas que se interessam em adquirir e compartilhar conhecimentos científicos. Nesse sentido, é uma forma de democratização do ensino, pois permite que diferentes estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio, juntamente com seus professores de Matemática, integrem uma rede de aprendizado colaborativo, com acesso a materiais didáticos de qualidade, inserção a comunidades científicas e possível ingresso em cursos universitários voltados às áreas científicas e tecnológicas.

Assim, acreditamos na relevância de ações que favoreçam a aprendizagem dos atores do nosso fazer pedagógico, os alunos, aos quais oferecemos meios diversos para reconhecer suas fragilidades e buscar superá-las; evidenciar seus talentos e potencializá-los; desenvolver sua autonomia para fazer as escolhas assertivas nos diversos campos que os constituem: pessoal, familiar, espiritual, acadêmico, profissional, já que nosso compromisso é com a educação de excelência.

Patrícia Cândido é assessora de matemática da Educação Infantil ao 9º ano do Colégio Pentágono

 

Tudo o que sabemos sobre:

Competições PedagógicasMatemáticaOBMEP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.