O Poder do Abraço

O Poder do Abraço

Colégio Pentágono

22 de setembro de 2021 | 10h41

Por Cilene Alves Portugal*

Há exatamente um ano e sete meses o mundo se deparou com a necessidade de aderir a um isolamento social. Obviamente, houve uma privação do convívio pessoal e de algo que jamais se imaginaria viver um dia, o contato físico, um simples aperto de mão, um mero abraço. Os abraços deixaram de ser presenciais e tornaram-se virtuais.

De acordo com o dicionário, o abraço é definido como: 

Ação de envolver algo ou alguém com os braços, mantendo essa pessoa ou coisa próxima ao peito. Demonstração de carinho, de amor, de afeto ou de amizade, geralmente feita após uma mensagem verbal ou escrita: um enorme abraço”.

O ato de abraçar revela cuidado, amor, atenção, além de proporcionar diversos benefícios para a saúde emocional. Afinal, mais do que palavras, o abraço tem o poder de acolher e diminuir sintomas de solidão, abandono, entre outros sentimentos que abalam emocionalmente as pessoas. Isso só é possível porque o abraço libera uma substância chamada oxitocina, conhecida como hormônio que promove sentimentos de amor, união e bem-estar.

Perceber a ausência do afeto demonstrado pelo abraço gera um sentimento de impotência diante de um ato tão simples. Não é tarefa fácil ter que negar o pedido de uma criança para ser abraçada devido ao protocolo de saúde, que determina novas regras de convívio social. O abraço deixa de ser por contato físico e passa a ser demonstrado através de um gesto com os braços junto com um olhar carinhoso. Já que não se pode abraçar, como fica a produção do hormônio do bem-estar?

Considerando que a sua produção não é liberado apenas no abraço, existem outras maneiras capazes e eficazes de substituir temporariamente o contato físico, entre elas: manter uma alimentação equilibrada e saudável, praticar atividades físicas, meditação ou até mesmo a prática da ajuda ao próximo (boas ações). São pequenas ações que estimulam a produção deste hormônio tão importante.

Nesse sentido, o núcleo familiar torna-se primordial na tentativa de suprir a ausência desse contato físico. A demonstração de carinho é muito importante, uma vez que a “bolha de convivência” é a família. Usar e abusar do abraço em família é um privilégio e organizar uma rotina de vida saudável é um desafio no enfrentamento do momento vivenciado pelo mundo.

Atualmente, manter o distanciamento é o maior ato de amor possível ao próximo. No entanto, é importante lembrar que o olhar é a janela da alma, sendo ele capaz de expressar aquilo que sentimos. 

O Colégio Pentágono preservou a sua essência de quem acolhe, se preocupa com o outro e respeita os sentimentos. Entretanto, de um modo diferente, ou seja, através do olhar, de um gesto ou de uma simples palavra.

* Cilene Alves Portugal é Orientadora Educacional da Educação Infantil e Anos Iniciais da Unidade Alphaville 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.