Lição de casa: aprendizagem ou castigo?

Lição de casa: aprendizagem ou castigo?

Colégio Pentágono

10 de agosto de 2016 | 09h25

Foto_1_V2

A lição de casa tem sua origem na época dos jesuítas, quando se adotava a prática do envio de  tarefas escolares para serem realizadas em casa. Essa estratégia, intitulada “repetição em casa”, designava um período de estudo com a finalidade de exercitar as inteligências das crianças, eliminando-se as dificuldades para favorecer as aprendizagens futuras.

Com o passar do tempo, novas propostas relativas à lição de casa foram surgindo, e  ela continua sendo vista pela maioria dos educadores  como parte integrante do processo de aprendizagem. Porém, é preciso repensá-la quanto ao objetivo, à quantidade, à periodicidade e  à eficácia, a fim de  garantir a aprendizagem , de levar o aluno a pensar. Enfim , para que seja uma “ lição inteligente”.

Aqui no Colégio Pentágono, a lição de casa vai muito além da repetição. De acordo com a  política do nosso sistema de ensino, nós  a consideramos  parte integrante  do processo, objetivando  ampliar  a  aprendizagem  para  além  do tempo-espaço escolar,  promovendo a rotina de estudo e a aproximação da família com o aprendizado do aluno.

É necessário situar a lição de casa de modo que ela dê ao aluno a oportunidade para a autoaprendizagem, o autoconhecimento e a reflexão, com vistas ao crescimento  pessoal.  Queremos que nossos alunos aprendam e produzam cada vez mais e melhor, e não que cumpram lições sem erros ou que tenham um caderno perfeito.

Outro ponto a se observar  sobre a lição diz respeito ao momento de reflexão individual do aluno:  segundo  Piaget, a aprendizagem não se dá de fora para dentro, mas a partir de descobertas individuais do próprio aluno, e, nesse sentido, a lição de casa é o único momento em que ele está longe da escola e se encontra com o seu saber ou não saber. É a hora de tomada de consciência das próprias dificuldades.

Algumas das  funções da lição de casa, que facilitam o aprendizado do aluno, são a preparação, o aprofundamento e o aprimoramento, por isso, não devemos encará-la como uma obrigação, um castigo, mas sim como uma parte integrante de sua aprendizagem. A partir dessas três funções, especialistas classificam a lição de casa em diferentes tipos:

– Como sistematização dos conhecimentos: analisando as respostas, certas ou erradas,  o professor verifica quais são os principais problemas individuais e coletivos da turma e pode reforçar os conteúdos em que os alunos apresentam mais dificuldades. Algumas questões são suficientes para que o professor atinja os seus objetivos.

– Como fixação do conhecimento adquirido: trata-se da lista de exercícios para fixar os conteúdos aprendidos, na  maioria das vezes, exercícios de repetição, isto é ,  o que foi ensinado em sala de aula é repetido em casa,  só que com outros enunciados. Normalmente, nesse tipo de lição de casa,  prevalece a quantidade em detrimento da qualidade.

– Como introdução de  um novo tema: é o momento de aguçar a curiosidade dos alunos, de trabalhar com os conhecimentos prévios, de levantar problemas para que eles entrem em conflito cognitivo. O professor pode pedir, por exemplo, que os alunos leiam notícias de jornais relacionadas ao assunto,  que assistam a um filme, respondam a uma questão ou observem um fenômeno. O que vale para esse tipo de lição de casa é a qualidade, e não a quantidade.

– Como aprofundamento de alguns temas: envolve trabalhos mais longos, normalmente projetos interdisciplinares, através dos quais os alunos podem aprofundar a sua aprendizagem, aplicando o que foi aprendido em um determinado tempo.

– Como estudo  para provas:  esse tipo de lição contém exercícios sobre os temas/conceitos aprendidos e inicia pelos mais simples (nível básico) , passa pelos intermediários (nível operacional), até propor os  mais complexos (nível global).

Hoje, devido à permanência dos alunos na escola por mais tempo e, também, ao acúmulo de estímulos, o  grande desafio do professor é fazer com que o aluno consiga atribuir significado às tarefas de casa. Este precisa perceber a função das lições, para poder compreender a sua importância e necessidade.

Enfim, pais professores e alunos devem encarar a lição de casa como estudo e, portanto, como instrumento de aprendizagem, não como castigo.

Por
Silvia Tuono, Assessora Pedagógica Geral do Colégio Pentágono

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: