Formação dos professores é essencial para aulas inovadoras

Formação dos professores é essencial para aulas inovadoras

Colégio Pentágono

14 de julho de 2021 | 10h31

Por Daniella Molina*

Em assembleia de classe, alunos do 9º ano do Colégio Pentágono disseram que queriam “elogiar os professores que estão trabalhando em dobro, assim como a sua paciência em ajudar os alunos”.  Já o 8º agradeceu a toda a equipe porque “estão tentando tornar nosso dia a dia menos pesado”. Por trás desses agradecimentos e elogios, os professores precisaram se adaptar a um novo esquema de aulas totalmente diferente do tradicional. Disponibilidade, abertura ao novo, flexibilidade perante situações-problema, trabalho em equipe: nunca antes os colégios precisaram tanto destas competências de seus educadores. 

Com o prolongamento da pandemia, foi preciso ir além da implementação do ensino remoto/híbrido e também preparar os professores para se aproximarem e dominarem essas novas tecnologias digitais. Formações constantes foram feitas desde o ano passado, cursos que focaram em aprofundar uma nova metodologia de ensino, ou mesmo aulas mais técnicas, para o uso profissional ferramentas do Google for Education, usadas no Pentágono e que engajam os alunos no processo de aprendizagem.

Tudo exigiu organização da equipe gestora, capacidade de decisões rápidas por parte da direção, acesso a cursos, sensibilidade de coordenadores e orientadores educacionais, enorme esforço dos professores. A aproximação dos colaboradores às  novas tecnologias da informação e da comunicação foram essenciais para criar novas situações de ensino. Por conta disso, aulas de Educação Física e de Artes também foram um sucesso no formato híbrido. 

Mas o que foi primordial para que o ensino remoto em conjunto com o presencial tivesse sucesso?

A resposta está no auxílio mútuo entre os professores, na troca, no diálogo nos chats, no trabalho em equipe. Professores que melhor conheciam os mistérios da tecnologia digital, ensinavam aos colegas. Professores que tinham experiências de sucesso nas novas estratégias faziam relatos primorosos nos conselhos de classe. E os trabalhos em grupo? Professores utilizaram técnicas pedagógicas, como metodologias ativas e trabalhos por projetos, na construção de grupos online para que os alunos realizassem com sucesso as atividades em equipe.

Meses depois do início da pandemia, a volta ao presencial trouxe a perspectiva do sistema de rodízio com alunos em casa e alunos na sala de aula. Como disse um professor: “sinto como aqueles artistas que rodam e equilibram dois pratos em cima de uma vara, cuidando para que os pratos continuem girando. Tenho que ensinar os que estão na aula presencial e os que estão no ensino remoto”. Foi o momento de aprofundar a discussão sobre atividades síncronas e/ou assíncronas em diferentes espaços e tempos. 

Outro grande desafio merece destaque frente à pandemia: como manter a saúde mental dos alunos? Como trazer para a escola, em sistema remoto ou presencial, o adolescente que está distante de nós? Tempo de escuta, de ouvir os alunos, de entender o grupo e cada um deles. Toda a equipe pedagógica tem que estar envolvida nesta tarefa e mostrar que somos verdadeiros educadores. Aceitar as eternas “câmeras fechadas”, entendendo a adolescência. Buscar a vontade de aprender, por vezes escondida, em cada aluno. Compreender as necessidades de cada um. O verdadeiro educador sabe que sem a  parceria dos próprios alunos não acontece a aprendizagem.

O ano de 2021 já começou com o modelo híbrido, mas com certeza todo o empenho dos professores foi essencial para que as aulas online e presenciais se tornassem mais interessantes aos alunos. O investimento do Pentágono na formação dos professores é constante e caminha sempre de acordo com o que há de mais moderno disponível no setor da educação. Por isso o conteúdo que chega aos alunos é fruto de um trabalho árduo e colaborativo entre todos, para que o ensino seja inovador e prepare os estudantes para serem protagonistas de suas trajetórias de sucesso. 

Para finalizar, nosso reconhecimento aos pais, que nunca estiveram tão próximos da escola  dos filhos como agora, mesmo que distantes fisicamente, e atuaram tanto para que a educação dos filhos continue fluindo.  

*Daniella Molina – Coordenadora do Ensino Fundamental Anos Finais do Colégio Pentágono – Alphaville

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.