Cultura maker e aprendizagem criativa na sala de aula

Cultura maker e aprendizagem criativa na sala de aula

Colégio Pentágono

24 de março de 2022 | 15h55

Por Fernanda Lourenço* 

Imaginar, criar, brincar, compartilhar, refletir e aprender: tudo isso faz parte da aula maker no Colégio Pentágono até o 5º ano. Por meio da aprendizagem criativa, nossos alunos desenvolvem a imaginação, criatividade e executam suas ideias para criar e experimentar e, de forma lúdica e engajadora, interagem com os colegas para gerar novas ideias e solucionar problemas. Compartilhamento e reflexão fazem parte de todo o processo, pois assim os alunos evoluem em suas ideias, conhecimentos e  projetos.  

Tudo isso é possível, pois o trabalho com os alunos parte de uma  abordagem fundamentada e sistematizada pelo professor Mitchel Resnick (2014),  que desenvolveu um conjunto de quatro pilares representados por 4 Ps – projetos, paixão, pares e pensar brincando – para ajudar os alunos a tornarem-se pensadores criativos.

Podemos evidenciar o processo de criação com esses pilares quando trabalhamos com projetos interdisciplinares, onde mobilizamos o conhecimento de forma fluida e não compartimentada,  o que torna o aprendizado mais relevante e significativo. Assim, nossos alunos desenvolvem suas ideias por meio de experiências “mão na massa” e, com isso, tendem a aprender mais e melhor, pois estão trabalhando ativamente com suas ideias e gerando novas perspectivas, projetando protótipos, criando soluções e resolvendo problemas.

No pilar da paixão, trabalhamos com o interesse  e o encantamento dos nossos alunos. A forma como nós nos sentimos enquanto estamos aprendendo algo novo, pode tornar esse aprendizado mais fácil e significativo, e é por meio da paixão que se torna possível alimentar a vontade do aluno em participar dos projetos e sustentar o seu interesse, mesmo diante de eventuais desafios e dificuldades. 

Na aula maker, incentivamos as atividades em pares – ou grupos. Quando os alunos compartilham ideias e colaboram uns com os outros, o trabalho flui de forma mais criativa e os resultados alcançados apresentam sempre uma solução mais ampla e bem pensada.. 

Por último, o pilar pensar brincando envolve o aprendizado por meio  da experimentação e da exploração lúdica e livre:  mexer em materiais diversos estruturados ou não, criar, brincar com suas criações, tudo isso proporciona cada vez mais criatividade. Porém, o “aprender brincando” só se torna uma realidade quando planejado com técnicas pedagógicas que incentivem o pensamento criativo em sala de aula.

Quem passa em frente a sala maker, por um minuto, pode pensar que estamos apenas brincando, com uma sala desorganizada e barulhenta, e ainda se perguntam “mas eles estão aprendendo?” Sim! Estamos aprendendo e produzindo muito! Nossos os alunos trabalham  em suas paixões e escolhas,  são protagonistas do seu próprio aprendizado e, com o auxílio dos professores, ficam cada vez mais autônomos para utilizar os recursos da aula, que vão desde ferramentas, materiais não estruturados, materiais recicláveis, kits de eletrônica, makey makey, arduino, kits lego, impressora 3D, entre tantos outros. Assim também entendemos o motivo de a sala maker ser tão concorrida e visitada pelos alunos. 

* Fernanda Lourenço é  Professora Maker da Unidade Alphaville e Coordenadora Maker da  Rede – Educação Infantil e Anos Iniciais e do Colégio Pentágono.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.