Com acolhimento socioemocional na retomada, escola une grupos de amizades em bolhas

Com acolhimento socioemocional na retomada, escola une grupos de amizades em bolhas

Colégio Pentágono

02 de março de 2021 | 10h03

Para incentivar a integração entre as crianças e os adolescentes, Colégio Pentágono optou por priorizar as amizades ao fazer a divisão de grupos em cada dia de aula   

Após um ano atípico com pandemia, o retorno às aulas presenciais em 2021 precisou ser cuidadosamente planejado para que o aspecto socioemocional e a interação entre os alunos fosse priorizado após meses de distanciamento social. Para esse momento, o Colégio Pentágono preparou estratégias para promover o acolhimento, o bem-estar e a integração entre os estudantes e os professores durante o ano letivo, em especial nas primeiras semanas. As diretrizes foram definidas pela diretoria e alinhadas entre todas as equipes pedagógicas durante as semanas de planejamento. Além disso, uma pesquisa feita com pais e familiares constatou uma preferência para que as divisões das bolhas – grupos de estudantes que revezam a presença na escola – priorizassem as amizades dos alunos. Desta forma,  os alunos puderam ser escutados para a  formação de bolhas para que  se sentissem  mais acolhidos. 

“O trabalho de integração e acolhimento está sendo feito em todas as unidades da escola. O colégio conta com seis orientadoras educacionais  que dão o suporte para o acolhimento, fortalecendo o trabalho da equipe pedagógica. O ano passado foi bastante intenso na vida de todos nós e sabemos a importância de trabalhar e reforçar os laços afetivos com amigos e professores. É uma estratégia para deixarmos os alunos mais à vontade com esse retorno presencial, que não deixa de ser uma nova realidade”, diz Adriana Costa, Orientadora Educacional da unidade de Alphaville. “Paralelamente, vamos seguindo com o conteúdo da grade escolar. Estaremos atentos para que não ocorram perdas pedagógicas e sempre promover um ensino de qualidade, seja presencialmente ou pelo ensino remoto”, completa. 

Nessa primeira fase da retomada, o foco da Educação Infantil e Anos Iniciais será a integração entre as crianças, os professores e as dependências da escola. “Para os grupos que vão iniciar os primeiros dias de suas vidas em uma instituição de ensino, vamos trabalhar primeiro o vínculo com o professor e com os colegas. Nós optamos por este caminho para que todos se sintam à vontade antes de começarmos de fato o conteúdo programático para cada série”, diz Adriana.  Para atender a demanda pela idade e necessidade da presença do professor, a escola priorizou a volta presencial total da educação infantil, 1os e 2os anos dos anos iniciais, mantendo o distanciamento social indicada pela vigilância sanitária . 

Já para os Anos Finais e Ensino Médio a abordagem será diferente, por conta dos adolescentes que se acostumaram mais facilmente com o ensino à distância e têm mais autonomia para lidar com esta modalidade de aprendizagem. “Primeiro estamos observando o comportamento em sala de aula, sem deixar de lado os estímulos para que haja interação entre os estudantes. Nós sabemos que neste momento de vida muitos deles buscam a própria individualidade. Vamos respeitar este momento, mas trabalhando a importância de criarmos novamente este laço social, em especial dentro da escola”, conta a Orientadora. 

Divisão de Grupos Priorizando as Amizades 

Assim que a data do início do ano letivo foi divulgada, o Colégio Pentágono entrou em contato com as famílias dos estudantes para entender quantos participariam da retomada e organizar o esquema de bolhas. Para promover o acolhimento e o vínculo, foram definidas duas categorias: uma que priorizava a frequência de irmãos nos mesmos dias, para facilitar a logística com os pais, e outra que deu preferência para os grupos de amigos.  

Acolhimento de Novos Alunos 

Mesmo antes da pandemia, uma das tradições do Colégio Pentágono sempre foi designar a função de “aluno tutor” para aqueles estudantes mais comunicativos e proativos, que podem auxiliar na integração de um recém chegado à sala de aula. Este acompanhamento é feito por alguns dias até que a criança ou o adolescente se sinta familiarizado com o espaço, colegas, professores, além de ser bastante acolhido pela turma. 

“Nós sabemos que a mudança de um ambiente para outro muitas vezes pode causar um choque na vida de uma pessoa, mas o nosso objetivo é fazer com que isso ocorra de maneira mais natural e que sempre exista um cuidado em relação ao acolhimento”, finaliza a Orientadora Educacional. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.