Bullying e Cyberbullying

Bullying e Cyberbullying

Colégio Pentágono

17 de setembro de 2015 | 08h00

 

O princípio do respeito mútuo é a base de todo trabalho contra o bullying no Colégio Pentágono. Desde pequenos os alunos vivem práticas que valorizam o respeito ao outro.

Os alunos do 6º ano realizam um projeto específico sobre o bullying, nas aulas de Formação Social.  É o momento em que crianças de 10 e 11 anos dessa série se responsabilizam pela campanha antibullying no colégio.

Na aula inicial sobre o tema, fazemos a pergunta: “Quem já sofreu bullying?”. Muitas mãos se levantam, todos querem participar. Contam o que sentiram, dão nome aos sentimentos que ainda estão na memória:  humilhação, tristeza, exclusão. Logo depois, fazemos outra pergunta: “Quem já fez bullying?”. Eles se entreolham, logo todos querem contar. E vão relatando os apelidos que deram, as humilhações que fizeram, as exclusões que praticaram. Começam a pedir desculpas uns aos outros, reconhecendo-se como autores das ações de bullying relatadas.

Na conclusão da aula, a chamada regra de ouro tem novo significado, porque agora foi vivenciada: não fazer aos outros o que não quer que façam conosco. Neste momento, para não banalizar, explicamos que nem todo conflito é bullying, se as agressões não são intencionais e repetitivas, não é bullying.

Na sequência, vão ao laboratório de informática para produzir cartazes antibullying que serão colocados em pontos estratégicos do colégio.

O Colégio Pentágono tem regras claras contra o bullying. Cada caso é analisado pela equipe pedagógico-educacional e envolve sempre uma reparação, que pode ser seguida de sanções como advertência ou suspensão. O combate a ele deve ser constante e devemos ficar alertas aos primeiros sinais.

Nos últimos anos, tem surgido o fenômeno do cyberbullying. As redes sociais possibilitam que xingamentos, ofensas e apelidos se alastrem rapidamente, tornando o bullying mais doloroso. Como o espaço virtual é ilimitado, o poder de agressão se amplia e a vítima se sente impotente.

O que acontece fora dos muros da escola entra pela tela dos aparelhos e a escola tem que atuar.

Em casos de bullying e cyberbullying o Pentágono atua com a vítima, com o agressor e com as testemunhas.  As famílias são chamadas para trabalhar em parceria e coerência. Para nós é importante o trabalho educacional com o aluno que diz: “Eu só curti”. Quando alguém curte ou compartilha uma gozação a um colega, está sendo conivente e concordando com a agressão. Este aluno tem que compreender que precisa reagir, sem medo de correr o risco de se tornar a próxima vítima, ou não ser mais aceito pelo grupo.

Por Adriana Giorgi Costa,
Orientadora educacional Colégio Pentágono
Coordenadora do Núcleo de Orientação Educacional da Rede Pentágono

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: