Autonomia e Independência

Autonomia e Independência

Colégio Pentágono

28 Setembro 2016 | 08h57

28.09 - Autonomia e Independência

Era início de 2016. A rede do Colégio Pentágono anunciara o Fórum Estudantil do Pentágono, no qual os alunos, do nono ano do Fundamental II até o terceiro ano do Ensino Médio das três unidades (Alphaville, Morumbi e Perdizes), foram instigados a debater determinados assuntos polêmicos – como, por exemplo, a criação do Estado de Israel. Nessa simulação, deveríamos representar uma nação. Por estar no nono ano e ser a minha primeira participação no FEP, certamente meu objetivo era só diversão. No entanto, ao receber a Noruega para representar, senti-me desafiado.

Era necessário defender o posicionamento desconhecido de um país sobre um tema inteiramente novo para mim. Vim a descobrir que a Noruega fora dominada por nazistas na década de 1940 (sim, voltamos no tempo para simular, de fato, uma Assembleia de países na ONU). Parei para pensar em como o Colégio Pentágono de Alphaville havia desenvolvido em mim a autonomia, afinal, os métodos utilizados nas pesquisas foram os mesmos aprendidos dias atrás na instituição.

Um dos fatores responsáveis pela autonomia que eu desenvolvi foram as aulas de Tutoria, disciplina que tem por objetivo instrumentalizar os alunos para conseguirem fazer o que precisarem, sem depender de ajuda. Parece banal, mas não é: um dos motivos do bom desempenho nas redações por parte de alunos do Pentágono é a não dependência de professores para defender o seu ponto de vista e argumentar. Não por acaso, um dos princípios do Pentágono é a formação de um cidadão crítico e, no hino da instituição, há o trecho “Nós somos pássaros, na mesma árvore, preparados para voar”.

Por fim, percebi o quão bom foi ter passado a vida em um colégio que desenvolve a autonomia, já que até o Fórum, que exigia de mim habilidade para ”me virar sozinho”, defendendo um ponto de vista e argumentando, fora feito para desenlaçar de vez o cordão umbilical que me amarrava aos adultos. Eu pensava sozinho, defendia o meu ponto de vista e mal pedia assistência para os professores: eu já havia aprendido como pesquisar e obter os melhores resultados nas ferramentas que a Internet nos proporciona. Minha escola também fornece espaço para eu me sobressair academicamente e ultrapassar os obstáculos da vida, como nas classes de Formação Social. Sendo a vida inteira um aluno Pentágono, não é à toa que me destaquei no ranking de debate, sendo o segundo geral e o primeiro do nono ano.

Por,
Diego Tedim, aluno do Ensino Fundamental II do Colégio Pentágono – Unidade Alphaville