A Formação do aluno para uma sociedade 4.0

Colégio Pentágono

21 de julho de 2021 | 15h38

Por Pablo Damasceno*

Nosso texto começa com um rápida passagens pelas aulas de história, onde faremos um recorte desde o início do século XIX com a primeira revolução industrial, passando pelo começo do século XX com a chamada segunda revolução industrial, depois nas décadas de 1960 e 1970 com a terceira revolução até chegarmos em  2016 até os dias atuais onde vivemos a quarta revolução industrial.  Hoje quando falamos das diversas maneiras de contribuir para um mundo e uma sociedade precisamos falar de: Ruptura total, Adoção de conceitos de negócios como inteligência artificial, internet das coisas, big data, entre outras. Termos praticamente inexistentes em um passado bem recente.  Segundo o professor Kamal Munir da Universidade de Cambridge, especialista em disrupção e consultor de negócios, há cinquenta anos atrás o tempo esperado de permanência de uma empresa na lista das 500 maiores do mundo era de 75 anos, hoje esse tempo caiu para 15 anos. Isso mostra o quanto vivemos numa sociedade muito mais volátil e com uma velocidade de transformação que até então não conhecíamos. Portanto, numa relação comparativa entre negócios e sociedade, o cidadão de hoje precisa ser preparado e ter habilidades diferentes daquelas necessárias para as gerações anteriores.

Quais os impactos destas mudanças na instituição escola?

Não é de hoje que ouvimos que a escola, principalmente aquela voltada para a educação básica, é uma instituição extremamente conservadora e com  grande dificuldade de se adaptar às mudanças existentes no mundo. Romper tais barreiras e projetar os alunos para posições de protagonismo mundial sempre foram encarados como desafios.  Nos últimos anos diversas normatizações foram lançadas com o desejo de criar uma escola mais moderna e atualizada, a principal delas é um documento extenso que serve como norteador para todas as escolas em território nacional que é a Base Nacional Comum Curricular, conhecida como BNCC, fora isso também já existia uma proposta de mudança mais direcionada com o Ensino médio que por sua vez previa a criação de um segmento mais atrativos e condizentes que as ambições do jovens brasileiros, que foi denominado como o novo Ensino Médio. 

Olhando para tudo que foi apresentado até o momento percebemos que temos três pontos: o problema, as necessidades e algumas propostas de caminhos. Por isso que sempre buscando ser uma escola de vanguarda durante os cinquenta anos de sua maravilhosa história, o colégio Pentágono resolveu agir, encarar os pontos citados e por isso mais uma vez saiu na frente com o objetivo de formar um aluno para uma sociedade 4.0.

Primeiro temos como norteador o documento para o novo Ensino Médio, onde a escola busca se tornar uma instituição mais atrativa para os jovens, onde exista uma identificação maior com as disciplinas e praticar a escolha passe a ser algo constante e relevante. Hoje os nossos alunos além de uma grade comum para todos e que visa uma formação geral ampla, podem optar por quatro itinerários distintos: 

-Vida e Natureza;

– Ciências e Matemática;

– Negócios e Empreendedorismo e 

– Artes Linguagens e Ciências Humanas. 

Nesses itinerários o aluno encontrará disciplinas mais relacionadas com os seus anseios e suas habilidades, fora isso ele também terá dezenas de disciplinas eletivas para cursar e agregar ao seu processo de aprendizagem dentro do Pentágono. 

Essas escolhas são permanentes?

Não, esse não é objetivo, o aluno pode fazer um pacote de escolhas no início do ensino médio e permanecer ao longo de todo o segmento, mas ele também pode mudar periodicamente,  buscamos garantir com isso que eles pratiquem o ato de escolher, isso  trará base, repertório, discernimento e que mais na frente na vida desse estudante será convertida em liberdade de escolha ao invés de simplesmente o direito de escolher.  Atrelado a tudo isso temos uma disciplina cujo grande objetivo é fundamentar essa ação ao longo da vida, não é atoa que a mesma é referenciada como projeto de vida e no Pentágono é a famosa disciplina “Projete-se, essa que é trabalhada pelo departamento de orientação educacional o mesmo que é responsável pela formação social desenvolvida ao longo do ensino fundamental e tem como objetivo desenvolver as competências socioemocionais em nossos alunos. 

Tudo isso fundamentado em novas metodologias aplicadas pela nossa equipe de professores, essas por sua vez fruto de treinamento e estudo constante dos docentes envolvidos no processo de ensino, organizado e pensado pelos gestores educacionais.

Qual o objetivo de tudo isso?

Recentemente a revista Forbes divulgou uma lista com quinze características que devem estar presentes em pessoas de sucesso na atualidade, são as seguintes:  Adaptabilidade, inteligência emocional, perseverança, disciplina, autoconsciência/humildade,  curiosidade, autenticidade, assuma riscos, acessibilidade, determinação, responsabilidade, respeito genuíno, analisar erros como curvas de aprendizagem, mentalidade de crescimento, foco. 

Hoje podemos dizer que nosso colégio hoje busca propiciar o desenvolvimento dessas características em nossos alunos, ou seja formando pessoas para uma sociedade 4.0

*Pablo Damasceno é Coordenador do Ensino Médio Unidade Alphaville e Gestor de Área

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.