A Excelência acadêmica e a exigência na escola

A Excelência acadêmica e a exigência na escola

Colégio Pentágono

23 Novembro 2016 | 09h52

REI_3922_blog

A excelência acadêmica e a eficácia dos sistemas educacionais, atualmente, são pautas prioritárias na agenda da Educação internacional. Em nosso país, a exigência na educação básica, principalmente na rede pública, é extremamente baixa, inclusive com as famosas aprovações automáticas, dentre outros fatores, gerando resultados vergonhosos nos testes internacionais, como o PISA. O último exame foi aplicado em 64 países e o Brasil ficou na 58ª posição em Matemática, na 60ª posição em Leitura e na 59ª posição em Ciências. Países com sistemas educacionais mais rigorosos como, por exemplo, a China e a Coreia do Sul, sempre figuram nas melhores posições do ranking.

Acredito que todos se questionam: “O que devemos fazer para que os nossos alunos aprendam mais e, consequentemente, os resultados sejam melhores?” Provavelmente, não existe uma única resposta para tal pergunta, mas, com certeza, a falta ou a baixa exigência não contribuem para tal. Assim, devemos manter o nível de cobrança elevado, mas também não podemos esquecer que outros fatores são extremamente importantes. Pesquisas, algumas nem tão recentes, mostram que a formação dos professores e o envolvimento dos pais no processo escolar influenciam bastante os resultados, chegando, muitas vezes, a ser fatores determinantes.

No Colégio Pentágono, temos trabalhado árdua e constantemente para atingirmos a tão almejada excelência acadêmica, um dos valores fundamentais de nossa escola. Nossos professores possuem excelente formação acadêmica, cursaram as melhores universidades do País em suas respectivas áreas e são muito comprometidos com todas as etapas da formação de nossos alunos. Além disso, temos grande participação dos pais no processo de formação de seus filhos, outro valor fundamental de nossa escola, que é a parceria com as famílias. Todos esses fatores – a alta exigência, a formação sólida de nossos professores e a participação das famílias – têm contribuído para o nosso sempre crescente sucesso.

Especificamente na área de Matemática, além das aulas normais, oferecemos módulos de avanço e a utilização de plataformas tecnológicas, como o Mangahigh. Também temos uma Olimpíada Interna de Matemática, que já está na sua terceira edição, e incentivamos a participação de nossos alunos em outras olimpíadas e desafios, como a OBM, o Canguru Matemático e o Desafio Bovespa. Diferentemente de muitas instituições, também trabalhamos com a inclusão de todos no processo, tornando, assim, a tarefa mais desafiadora.

Devemos buscar a excelência cotidianamente, por meio das mais diversas formas, tanto em sala de aula, como nos espaços fora dos muros da escola. Contudo, não podemos limitar nosso trabalho a essa busca frenética por resultados cada vez melhores. Nossos alunos também devem ser felizes na escola, outro valor fundamental que trabalhamos, pois qual o sentido da Educação se formarmos pessoas infelizes?

Nossa tarefa, portanto, não é fácil, pois devemos ser exigentes sem sermos excessivos; devemos incluir todos no processo e, ao mesmo tempo, todos devem estar felizes nessa jornada. Além disso, vale lembrar que as escolas devem formar cidadãos autônomos, reflexivos e capazes de contribuir com a sociedade como um todo.

Por
Sami Lopes, Assessor de Matemática do Colégio Pentágono