Leitura crítica das mídias com crianças

Leitura crítica das mídias com crianças

Colégio Oswald de Andrade

30 Outubro 2018 | 17h03

Preocupados com a exposição cada vez maior das crianças aos meios de comunicação de massa, nosso colégio vem realizando um projeto para estimular a leitura crítica das mídias com as crianças do G5 da Educação Infantil e do 1º e 2º ano do Ensino Fundamental I, por meio de uma parceria entre as equipes de Tecnologias Educacionais e de Coordenação Pedagógica do Ciclo I.

Este trabalho vem ao encontro da perspectiva do Oswald em relação à formação de leitores e escritores, na medida em que entendemos que aprender a Língua Portuguesa significa saber falar, ler, compreender e manifestar posicionamentos por meio de textos, nas suas variadas situações de circulação social. Nesse sentido, trabalhar com as mídias digitais é tão valioso quanto trabalhar com os textos literários, que têm no livro impresso sua forma mais usual de organização. A formação de leitores na escola, portanto, disponibiliza aos alunos, desde as turmas da Educação Infantil, textos em diferentes plataformas e mídias, considerando colocar em uso tal variedade de registros e de modos de ler.

Com os estudantes do Grupo 5 da Educação Infantil vêm sendo trabalhada a questão do consumo e da publicidade, enquanto os alunos do Ensino Fundamental I, estão trabalhando os conteúdos de YouTube.

Segundo a Assistente de Tecnologias Educacionais do Oswald, Tatiana Luz, o projeto foi idealizado para incluir os gêneros midiáticos no trabalho de leitura. “A ideia inicial era de promover uma reflexão sobre os mais variados conteúdos voltados às mídias”, afirma Tatiana.

O projeto foi pensado em duas fases, sendo a primeira o diagnóstico e a segunda a análise com as crianças. “Em um primeiro momento, criamos um jogo para conhecer as experiências que as crianças têm com as mídias. O diagnóstico gerou um mapa visual de cada turma, que indicava com quais mídias as crianças relacionam-se mais”, completa.

Ela, que é uma das responsáveis pelo projeto de leitura crítica, diz que por meio dessas atividades está sendo possível proporcionar aos alunos uma discussão muito enriquecedora, uma vez que promove problematização das mídias junto às crianças, algo que costuma ser ignorado nesta faixa etária.

Segundo Tatiana, os resultados mostram que as crianças, inclusive as mais novas, estão imersas em um contexto hipermidiatizado, mas não necessariamente refletem sobre este contexto, tornando-se cada vez mais consumidoras vorazes das tecnologias. E, para que entendam a importância de usar tais mídias e ferramentas com responsabilidade, essas questões são discutidas com elas.

“Vale ressaltar que o projeto tem por objetivo deslocar as crianças do papel de meras consumidoras para estimulá-las a se colocarem no papel de reflexão e autoria no uso consciente das mídias, em especial porque acreditamos na responsabilidade do colégio nessa missão educativa quanto ao uso das mídias e quanto à análise da publicidade infantil”, explica Tatiana.

 

Leitura crítica e conscientização infantil

O projeto de leitura crítica está sendo desenvolvido em parceria entre a área de Tecnologias Educacionais, pelas profissionais Tatiana Luz e Carolina Gil, e a Coordenação Pedagógica, com Rosane Reinert, Tainá Lima e Júlia Franco.

A partir de um roteiro elaborado pelas mediadoras, as crianças estão desenvolvendo um manual em vídeo sobre o uso crítico do YouTube. Para que serve o YouTube? O que significa “inscrever-se no canal” e porque os youtubers pedem aos espectadores que se inscrevam? Qual o intúito das “mãozinhas”? Essas e outras questões levantadas junto às crianças, a partir da reflexão acerca dos conteúdos encontrados na plataforma, serão contempladas no vídeo. “Com isso, teremos uma ferramenta feita pelos alunos e alunas para orientar outras crianças e famílias sobre os processos básicos para uso do YouTube, bem como seus significados, e isso será muito relevante na busca de uma navegação segura e educativa”, conclui Tatiana.