O faz de conta do Grupo 2 

O faz de conta do Grupo 2 

As professoras Giulia e Juliana, da Educação Infantil, destacam a importância dos jogos simbólicos para o desenvolvimento das crianças.

Ofélia Fonseca

13 de abril de 2021 | 11h04

Por: Giulia Ricci e Juliana Couto*

Os jogos simbólicos são essenciais para o desenvolvimento. Por volta dos 15 meses, as crianças dão significado a diversos objetos, num ato de imitação de algum modelo, seja ele adulto ou criança.

Esses gestos imitativos exigem muita observação para que se aproximem dos movimentos, expressões faciais e discursos originais. Essas experiências são fundamentais para o processo de construção do imaginário, e resultarão no jogo simbólico, de fato, por volta dos 3 anos.

Através do faz de conta, as crianças interpretam e ressignificam o mundo e sua existência. Com essas brincadeiras, expressam seus sentimentos, desejos e inseguranças, passam a entendê-los e descobrem formas de lidar com tudo isso. “Ao fazer isso [brincar de faz de conta], ela [criança] representa o que observa e trabalha a compreensão do mundo, como as atitudes das pessoas, os modos como resolvem conflitos, como sentem e se expressam, etc.” (OLIVEIRA, 2019, p. 166).

Os jogos simbólicos estão presentes no Grupo 2, da Educação Infantil, desde o início do ano. Casinha, realeza, e seres mágicos são alguns exemplos das oportunidades vivenciadas. Apesar dos obstáculos do ensino remoto, essa proposta foi possível e contou com a ajuda das famílias.

Em um primeiro momento, de forma assíncrona, foi sugerido que, com diferentes materiais, alguns previamente enviados em um kit, as crianças criassem o seu super-herói ou super-heroína. As famílias foram orientadas a tecer um diálogo com as crianças durante o processo de criação, estimulando o desenvolvimento criativo do personagem. 

Em seguida, de forma síncrona, via Google Meet, o grupo fez uma festa de super-heróis e super-heroínas. Durante o encontro, cada um foi convidado a apresentar o seu personagem, nome, traje, acessórios e superpoderes. As crianças estavam muito animadas e apresentaram seus personagens com muita empolgação e satisfação! 

“ – Eu sou uma super-heroína Unicórnio, tenho uma varinha mágica e asas que me fazem voar! Abracadabra!”

“ – Fiz uma máscara de papel machê do Hulk com a minha mãe!”

“ – Minha roupa é bem colorida. Tenho uma capa e poderes mágicos!”

Encerramos a festança com as músicas preferidas do grupo.

Esse processo, desde a criação do personagem até a festa, foi baseado, intencionalmente, na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Abaixo, seguem alguns dos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento desse trajeto:

  • (EI02EO02) Demonstrar imagem positiva de si e confiança em sua capacidade para enfrentar dificuldades e desafios;
  • (EI02EO04) Comunicar-se com os colegas e adultos, buscando compreendê-los e fazendo-se compreender;
  • (EI02CG05) Desenvolver progressivamente as habilidades manuais, adquirindo controle para desenhar, pintar, rasgar, folhear, entre outros;
  • (EI02EF01) Dialogar com crianças e adultos expressando os seus desejos, necessidades, sentimentos e opiniões;
  • (EI02EF06) Criar e contar histórias oralmente com base em imagens e temas sugeridos.

*Giulia Ricci e Juliana Couto são professoras do Grupo 2 da Educação Infantil do Colégio Ofélia Fonseca.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.