Experimentando e Aprendendo…

Experimentando e Aprendendo…

Uma experiência planejada que leve a interação entre os estudantes na busca por explicações cada vez mais elaboradas, a partir de um fenômeno observado, consegue estabelecer, de forma lúdica e didática, relações de aprendizagem reais com base nas vivências e observações que o estudante traz de seu próprio cotidiano.

Ofélia Fonseca

08 Agosto 2016 | 06h12

 A importância do estudo da ciência com aulas práticas é, sem dúvida, uma certeza para todos os educadores.

O estudo das Ciências vai além da sala de aula porque possibilita que o estudante possa entrar em contato com um método científico, uma vez que é estimulado a pensar e a registrar suas ideias a partir de uma metodologia particular que o leva a analisar os fenômenos que observa, testar suas hipóteses e perceber os resultados de um experimento, por exemplo, fazendo com que tenha condições de elaborar suas conclusões junto com seus colegas de classe e por meio da mediação da professora.

Um planejamento de Ciências que contempla atividades práticas em laboratórios pode promover maior envolvimento dos estudantes no exercício do respeito e da construção de suas hipóteses, tornando o aprendizado, de fato, mais significativo e contextualizado, permitindo ainda o desenvolvimento da curiosidade e capacidade investigativa dos estudantes para que assumam a condição de sujeitos na construção do seu conhecimento.

Uma experiência planejada que leve a interação entre os estudantes na busca por explicações cada vez mais elaboradas, a partir de um fenômeno observado, consegue estabelecer, de forma lúdica e didática, relações de aprendizagem reais com base nas vivências e observações que o estudante traz de seu próprio cotidiano.

Acompanhem a experiência realizada pelos estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental, no laboratório de Ciências, quando o grupo identificou o “formato da folha e a perda da água”.

O objetivo da proposta era perceber como o formato da folha interfere na perda de água para o ambiente.

Vejam as hipóteses formuladas pelos estudantes:

 

 

Sheila Tomita – Professora 3º Ano Fundamental I
Marilza Baptista – Coordenadora Pedagógica