Missão Solidária Marista: reforçando o sentido de alteridade

Missão Solidária Marista: reforçando o sentido de alteridade

Paulo Adolfo

05 Fevereiro 2018 | 16h56

“Amar é sair um pouco de si e ir morar no outro. Ser amado é deixar que o outro venha morar em nós”. É com este lema que os jovens do Arquidiocesano abriram mão das férias e participaram da Missão Solidária Marista em Ribeirão Preto (SP) de 21 a 27 de janeiro. No total, foram 115 integrantes, oriundos das cidades Itapejara d’Oeste (PR), São Paulo, Santos, Ribeirão Preto, Santo Antônio da Alegria, Curitiba (PR) e Brasília (DF).

Em sua 13ª edição, a Missão propôs uma troca intensa entre a comunidade local específica e os estudantes Maristas, contemplando aspectos como diversidade étnica-cultural, senso de solidariedade e ajuda mútua entre os moradores e os Maristas, capacidade de resiliência, superação e otimismo, apesar das vulnerabilidades às quais estão submetidos os moradores referidos.

As ações não se restringiram à revitalização de fachadas de algumas casas. Os alunos participaram também de uma coletiva de recicláveis na Cooperativa Mãos Dadas (entidade social que realiza coleta seletiva e triagem de materiais recicláveis em Ribeirão Preto) e, posteriormente, realizaram oficinas com as crianças.

“Foi interessante participar da cooperativa por vários motivos e, principalmente, porque durante o ano passado vivemos intensamente o projeto Saber Cuidar no Colégio. Nossos alunos treinaram o olhar para o cuidado com o lixo, desde a sua separação até a transformação do material orgânico em adubo a partir de composteira própria”, afirmou a Pastoralista Hortência Brito Novais.

“Na cooperativa, observamos um emaranhado de lixo proveniente de vários lugares, inclusive havia lixo hospitalar. As mulheres predominavam nas esteiras de separação de lixo e havia inclusive duas enfermeiras haitianas trabalhando no local”, acrescentou Hortência.

Hortência já foi freira Missionária e já atuou junto à comunidade indígena no Mato Grosso do Sul, no Sul da Bahia, com os sertanejos, enfrentando questões importantes como a preocupação real com a falta de água. “E essa missão da participação como Marista revitalizou o significado da opção de vida. Todas as imersões realizadas no MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), no Hospital de Retaguarda Francisco de Assis, na cooperativa Mãos Dadas reforçam o sentido de alteridade. Essa experiência é de suma importância para ressignificação de escolhas, das opções de vida, das relações interpessoais, entre outros”, finalizou a Pastoralista.