Exposição ‘Projeto Memórias’ mostrou produção do Grupo de Teatro Arquidiocesano (GTA)

Exposição ‘Projeto Memórias’ mostrou produção do Grupo de Teatro Arquidiocesano (GTA)

Paulo Adolfo

18 Junho 2018 | 16h58

Durante o mês de maio até a primeira quinzena de junho, o Grupo de Teatro Arquidiocesano (GTA) organizou a exposição de banners das peças produzidas pelos alunos ao longo de sua trajetória. A exposição “Projeto Memórias”, que ficou em frente ao Teatro Armando Bógus, resgatou um pouco da memória da arte que a escola já produziu.

“Temos um material rico em termos de teatro e sentimos necessidade de resgatar toda essa memória a partir da exibição de cartazes. Há ainda muito material a ser divulgado, como camisetas, convites para as peças, fotos, vídeos, entre outros”, afirmou Marlene Franca, Professora de Teatro do Marista Arquidiocesano.

Para a exposição, vieram ex-alunos para observar trabalhos de 10 anos atrás. “Eles fazem parte da nossa história”, acrescentou Marlene.

Algumas particularidades interessantes sobre o GTA: por ano, cerca de 15 peças são feitas na escola, contemplando desde a parte de marketing (criação da arte, parte gráfica, como a impressão dos cartazes, por exemplo), a produção — os alunos fazem parte cenário, fazem o figurino, ajudam na iluminação e organizam a trilha sonora —, até a elaboração/redação da peça e encenação da mesma. O trabalho do ator, a identidade do grupo e da peça são aspectos bastante trabalhados pelo Grupo de Teatro Arquidiocesano.

“O GTA do Ensino Médio tem um jeito diferente de trabalhar. Por aqui, já tivemos festival de peças brasileiras, fizemos uma produção completa sobre as obras de Shakespeare. O tempo todo, estamos fazendo arte. A ideia é que todos vivam, que todos tenham uma consciência cultural. As peças são abertas à comunidade de modo geral”, acrescentou a professora.