Estudantes do Arqui criam ferramenta digital gratuita para controle financeiro dos jovens

Estudantes do Arqui criam ferramenta digital gratuita para controle financeiro dos jovens

Natália Venâncio

23 de novembro de 2021 | 13h53

Denominado Piggy, a plataforma facilita o controle de gastos de forma fácil e acessível

Alunos da 1ª série do Ensino Médio do Colégio Marista Arquidiocesano criaram uma “calculadora virtual” para ajudar adolescentes a organizar as finanças.

O objetivo do grupo, formado por Ruy Diniz Monteiro, Sophia Santos de Oliveira Schimidt e Letícia Ventura Veiga, sob orientação do professor Patrick Oliveira de Lima, foi produzir uma plataforma de fácil acesso e manuseio para que o usuário possa fazer seu controle de gastos. Em alusão aos famosos cofrinhos, os estudantes criaram um “porquinho digital”, denominado Piggy. Com apenas três sessões, ele permite ao usuário inserir dados sobre o seu saldo atual, o que entrou e o que saiu em sua conta, processo feito em menos de 2 minutos, que, inclusive mantém um histórico de todas as transações.

A ideia foi produzir uma ferramenta de controle financeiro que fosse útil socialmente, observando a realidade atual de boa parcela do povo brasileiro.  Sendo assim, ele está disponível para os todos os dispositivos móveis, laptops, tabletes e computadores de mesa, com baixa complexidade de navegação para o usuário inicial. “Feito por jovens para jovens” é o slogan adotado pelo grupo.

Hoje, três a cada quatro brasileiros estão endividados. O total de brasileiros nesta situação chegou a 74% da população em setembro, 1,1 ponto percentual acima do verificado em agosto, conforme a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). As obrigações das famílias, levantadas pela pesquisa, incluem cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestações de carro e de casa própria.

Outro problema identificado por uma pesquisa do SPC Brasil revela que apenas 39,5% dos consumidores anotam gastos extras, entre eles despesas com lazer, como cinema e shows; estética, como salão de beleza e manicure; vestimenta, como roupas e acessórios.

Um dos integrantes da equipe, Ruy Diniz Monteiro, aponta que boa parte dos jovens saem do Ensino Médio sem conhecer princípios básicos da Educação Financeira. Para ele, o Piggy é um contexto de educação, não apenas um dispositivo financeiro. “Acreditamos ser de interesse geral a existência de uma ferramenta completa capaz de auxiliar o jovem nas anotações de suas despesas do dia a dia, ensinando-lhe alguns dos principais termos e conceitos do setor econômico brasileiro tão importantes para a vivência e bem-estar, que seja gratuita de fácil acesso”, afirma.

Ruy ainda explica que “desde o seu início, todo o projeto é de código aberto, para servir como exemplo como uma ferramenta educacional para estimular jovens na área de desenvolvimento de software”.

Segundo o professor Patrick Oliveira de Lima, para a criação do Piggy, a equipe se baseou em um tripé totalmente voltado para a Educação Financeira, “que leva em consideração a vivência (vivenciar situações que envolvem dinheiro), linguagem Matemática (compreender o verdadeiro significado da Matemática Financeira e seus termos como juros, porcentagem, por exemplo) e a consciência (a ação vai impactar as pessoas ao meu redor?)”, explica o docente.

O projeto Piggy pode ser acessado pelo link.

No Instagram @piggyapp.oficial onde podem ser encontrados posts educativos para os usuários.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.