Crianças ensinam idosos a customizar roupas utilizando a técnica do tie-dye

Crianças ensinam idosos a customizar roupas utilizando a técnica do tie-dye

Natália Venâncio

09 de novembro de 2020 | 09h33

Atividade promovida pelo Colégio Marista Arquidiocesano estimula nas crianças a solidariedade e a empatia e ainda desenvolve a memória e coordenação motora nos idosos

Alunos do Ensino Fundamental – Anos Iniciais do Colégio Marista Arquidiocesano produziram vídeos ensinando os idosos da Casa de Repouso Borba Gato, que possui duas unidades na capital paulista, a técnica do tie-dye, excelente opção de customização de peças de roupa.

“Ao mesmo tempo que as crianças trabalham o relacionamento, a solidariedade, se sensibilizam com as questões que envolvem os idosos, como o estímulo a coordenação motora das mãos e dedos, a identificação de cores, pois a atividade exige a parte visual e também aguça as funções cognitivas, como a percepção, a atenção, associação, memória, raciocínio, imaginação, e pensamento”, explica a coordenadora pedagógica do Colégio Marista Arquidiocesano Lilian Gramorelli.

O termo tie-dye significa, literalmente, “amarrar e tingir” em inglês. Ele surgiu nos Estados Unidos quando esse tipo de estampa irregular feita de forma artesanal ganhou destaque atrelada ao movimento hippie nos anos 60 e 70. Por ser irregular e criado por meio de um processo que não permite controle absoluto do resultado, o tie-dye era visto por eles como expressão de liberdade.

O trabalho foi orientado pela coordenadora pedagógica Lilian Gramorelli e conduzido pelas professoras Rosângela Hanssen e Fabiana Góes e faz parte do desenvolvimento do Projeto de Intervenção Social (PIS) da turma. A prática pedagógica Marista que promove o diálogo e o protagonismo, permitindo entender as necessidades humanas e sociais, questioná-las e traçar caminhos para enfrentar as problematizações contemporâneas.

A atividade em vídeo pode ser visualizada por meio do link: https://www.youtube.com/watch?v=73ZHFdptmWk&feature=youtu.be

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.