Como as habilidades do futuro podem melhorar o desenvolvimento dos estudantes?

Como as habilidades do futuro podem melhorar o desenvolvimento dos estudantes?

Natália Venâncio

25 de março de 2021 | 12h52

Criatividade, gamificação e inteligência emocional são algumas das competências essenciais para os próximos anos

Os efeitos da pandemia no mercado de trabalho foram severos. Com o cenário ainda incerto, os profissionais que buscam emprego ou uma recolocação precisam ser resilientes e buscarem se qualificar.

Entre as competências consideradas essenciais, algumas vêm ganhando importância nos últimos anos, como é o caso das soft skills. O termo é bastante difundido entre recrutadores, pois boa parte das empresas já perceberam a importância de ter profissionais com habilidades socioemocionais.

Segundo o relatório Future of Jobs 2020, produzido pelo Fórum Econômico Mundial, metade de todos os trabalhadores do mundo irão precisar de requalificação até 2025. Ainda, de acordo com o relatório, entre as 15 habilidades mais requisitadas pelo mercado de trabalho do futuro, estão competências técnicas, como programação e experiência de usuário, mas também habilidades socioemocionais, como criatividade, liderança, pensamento analítico e inteligência emocional.

No Colégio Marista Arquidiocesano, o projeto implementado no Ensino Médio é chamado de Future Skills, e visa desenvolver habilidades humanas e digitais, cada vez mais exigidas no mundo atual. Os estudantes cursam disciplinas como pensamento criativo, gamificação, inteligência emocional e programação, por exemplo.

O projeto conta com Human Skills e Digital Skills. As primeiras são focadas nas habilidades que não podem ser automatizadas. Os alunos são instigados a desenvolver o pensamento crítico, a criatividade, a liderança, o trabalho em equipe, a inteligência emocional e a tomada de decisão. Já as Digital Skills, apontam para as habilidades digitais. Aqui, há uma preocupação em instrumentalizá-los para o uso das redes sociais como também para criação de jogos e identificação de novas oportunidades na área.

Os Hubs, disciplinas eletivas e obrigatórias, objetivam desenvolver as habilidades do século XXI, tais como resolução de problemas complexos, trabalho colaborativo, criatividade, relacionamento interpessoal, negociação, julgamento e tomada de decisão, negociação, entre outras, por meio de projetos envolvendo os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela ONU.

Tudo está alinhado às propostas do Ministério da Educação, em sua Base Nacional Comum Curricular (BNCC), e, principalmente, focadas em áreas de interesse específicas e competências que vão além da grade curricular tradicional.

“Com aulas eletivas, currículo mais flexível e adaptado aos interesses dos alunos desde o início, os estudantes ganham no aprofundamento de seu projeto de vida, pois são instigados a desenvolver a criatividade, liderança, trabalho em equipe, tomada de decisão, pensamento crítico e inteligência emocional”, explica o coordenador do Ensino Médio do Colégio Marista Arquidiocesano, Dionei Andreatta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.