Arquidiocesano oferece a prática do skate para os alunos

Arquidiocesano oferece a prática do skate para os alunos

Natália Venâncio

09 de dezembro de 2021 | 15h54

Marista Arquidiocesano oferece a modalidade dentro da grade curricular da disciplina de Educação Física

A brilhante participação dos atletas do skate nas Olimpíadas de Tóquio, na qual Kelvin Hoefler e Rayssa Leal garantiram duas medalhas de prata para o Brasil, está inspirando um grande número de jovens interessados em aprender sobre a nova modalidade olímpica.

Um momento muito diferente vivido na capital paulista, onde o decreto municipal de número 25.871, de 6 de maio de 1988, editado por Jânio Quadros, então prefeito da cidade, limitava a prática dessa atividade no Parque Ibirapuera, onde estava localizada a sede da prefeitura municipal.

O Colégio Marista Arquidiocesano introduziu uma oficina de skate entre as diversas práticas oferecidas dentro da grade curricular da disciplina de Educação Física. As turmas do Ensino Fundamental Anos Finais começaram um trabalho sobre mudanças dos centros urbanos, limitação de espaço e rotina das cidades, o que inspirou novas práticas corporais durante as aulas. Com isso, uma das modalidades escolhidas pelos alunos foi o skate.

De acordo com a professora Regiane Ambrosio Bina, responsável pela atividade, devidamente equipados, os alunos se divertiram em grupos, respeitando limites, em que os mais experientes ajudavam os iniciantes. “Além da prática, trouxemos também a teoria e conceito por trás do esporte. No passado, havia um preconceito por ser um esporte de rua, mas o investimento em marketing e nas competições transformou o skate em uma modalidade olímpica de destaque”, explica.

Parkour

Apesar de ser normalmente visto como uma atividade física de aventura, o Parkour também desenvolve habilidades pessoais. No caso das crianças, ao desenvolvimento global, por meio da velocidade, resistência, força, equilíbrio e agilidade.

No Colégio Marista Arquidiocesano, a atividade é oferecida de modo extracurricular pelo Núcleo de Atividades Complementares (NAC) aos alunos do 2º ao 5º ano do Ensino Fundamental.

“Utilizamos os elementos da ginástica artística, visando melhorar as mudanças de plano (altos e baixos), de direção (esquerda e direita) e aprimoramento da complexidade dos movimentos, utilizando-se de saltos, rolamentos e ações de equilíbrio. À medida que praticam, desenvolvemos a autoconfiança, a superação e a tomada de decisão”, esclarece o coordenador do Núcleo de Atividades Complementares do Colégio Marista Arquidiocesano, Mario de Oliveira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.