Arquidiocesano cria clube de debates para tratar sobre temas contemporâneos

Arquidiocesano cria clube de debates para tratar sobre temas contemporâneos

Natália Venâncio

21 de março de 2022 | 09h59

Caso Monark e do Deputado Estadual Arthur do Val foram alguns dos assuntos discutidos pelos alunos do Ensino Médio do Arqui

As turmas do Ensino Médio do Colégio Marista Arquidiocesano, um dos mais tradicionais da capital paulista, estão promovendo um clube de debates. As discussões foram organizadas pelas alunas Laura da Mata, Julia Villela e Helena Berrón, como derivação das aulas de Filosofia, que tratam sobre grandes debates de temas contemporâneos sob a perspectiva da simulação de júri.

As reuniões acontecem quinzenalmente, com um grupo de cerca de 50 alunos, do 1º ao 3º ano do Ensino Médio. Uma semana antes do encontro, o tema é escolhido para o debate, e os docentes Cauê Caic Gomes e Alessandra Braz fazem o papel de mediadores, instigadores e até de “provocadores”.

“Os estudantes escolhem os tópicos a serem discutidos e preparamos a mediação, para que sejam desenvolvidas todas as habilidades do século XXI, preconizadas pela Agenda 2030 da ONU, tais como, pensamento crítico, solução de problemas complexos, criatividade, gestão de pessoas, relacionamento interpessoal, negociação, inteligência emocional, entre outras”, esclarece o professor Cauê.

Nos dois primeiros encontros, foram abordados os limites da liberdade de expressão, a partir do caso do Youtuber Bruno Aiub, o Monark. Na semana em que se comemorou o Dia Internacional da Mulher, foi discutido sexismo e a estrutura da sociedade patriarcal, pautada no áudio do Deputado Estadual Arthur do Val.

“Trabalhando a oralidade e a capacidade de arguição, os estudantes conseguem ouvir todos os lados sobre um determinado tema, desenvolvendo senso crítico, trabalhando a flexibilidade cognitiva”, frisa Cauê.

Segundo uma das organizadoras dos encontros, Laura da Matta, os alunos queriam aprimorar a capacidade de argumentação, a oratória, a formação da opinião própria e estimular o pensamento crítico.

“Pesquisamos, analisamos e estudamos alguns assuntos recentes a fim de discuti-los, respeitando as diferentes opiniões, mas almejando sempre, melhorar as argumentações. Acreditamos no impacto positivo desse clube e, cheias de orgulho, podemos afirmar com tranquilidade que o projeto está no caminho certo”, afirma Laura.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.