Alunos do Arqui discutem a importância da empatia com os animais abandonados

Alunos do Arqui discutem a importância da empatia com os animais abandonados

Natália Venâncio

13 de outubro de 2021 | 09h51

Projeto de alunos do Colégio Marista Arquidiocesano arrecada itens para cuidados e proteção para cães e gatos da ONG “Protegidos da Mari”

Tendo como tema central a empatia, os alunos dos 5ºs anos do Ensino Fundamental do Colégio Marista Arquidiocesano, estão promovendo a arrecadação de ração, jornais, tapetes higiênicos e brinquedos para cães e gatos da ONG “Protegidos da Mari”.

As crianças voltaram o olhar para os animais abandonados e o título do projeto, escolhido por toda a turma, foi “EmPETia”, a junção das palavras empatia e pet, e #AjudaPets.

O trabalho foi orientado pela coordenadora pedagógica Lilian Gramorelli e conduzido pelas professoras Juliana Arantes e Vívian Moinhos e faz parte do desenvolvimento do Projeto de Intervenção Social (PIS) da turma, uma prática pedagógica Marista que promove o diálogo e o protagonismo, permitindo entender as necessidades humanas e sociais, questioná-las e traçar caminhos para enfrentar as problematizações contemporâneas.

Os alunos foram convidados a pesquisar sobre essa temática por meio de reportagens, vídeos e fotos; informações que foram compartilhadas entre as crianças.

“Percebemos que, principalmente na pandemia da Covid-19, o número de animais adotados aumentou, porém, a quantidade de animais abandonados também cresceu”, avalia a professora Juliana Arantes.

Para explicar melhor sobre como se dá esse abandono, as professoras convidaram a ex-aluna do colégio, Mariana Maldonado, idealizadora da ONG “Protegidos da Mari”. A ONG resgata animais abandonados e intermedia a adoção, após os devidos cuidados necessários.

Nesse encontro virtual, os alunos puderam sanar as dúvidas. Perceberam a empatia da fundadora do projeto para com os animais abandonados e se sensibilizaram com a história dela. Com isso, foi feita a proposta de uma grande campanha de arrecadação de ração, jornal e itens para os pets.

Uma tenda foi montada no pátio central do colégio, com a intenção de mostrar a outros alunos a trajetória do projeto, que foi contada por meio de desenhos e falas dos estudantes e também para receber as doações. No dia 23 de setembro foi realizada a entrega das doações para a “Protegidos da Mari”, durante o horário de aula.

De acordo com a docente Vívian Moinhos, após realizar o projeto, os alunos dos 5ºs anos chegaram à conclusão que olhar com empatia para os animais abandonados faz refletir o quanto os pets promovem a felicidade dos seus tutores.

“Todos os animais têm direito a alimentação, água, lar, saúde, carinho, diversão e serem felizes, afirma. “Além de serem respeitados, eles também tem o direito de serem cuidados, amados e de terem um lar, assim como os seres humanos”, emenda a professora Juliana Arantes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.