Primeiro lugar na categoria “Escolas” do Campeonato Nacional de Carcassonne

Primeiro lugar na categoria “Escolas” do Campeonato Nacional de Carcassonne

Natália Venâncio

02 de setembro de 2019 | 17h34

Felipe Menezes Tonon obteve a melhor colocação da história da competição entre crianças participantes da classificação geral

O estudante Felipe Menezes Tonon, aluno do 7º ano do Ensino Fundamental do Colégio Marista Arquidiocesano, de São Paulo (SP), conquistou o primeiro lugar na categoria “Escolas” do Campeonato Nacional de Carcassonne 2019. A competição aconteceu no sábado (17) na cidade. Além disso, Tonon obteve a melhor colocação da história do Campeonato entre crianças participantes da classificação geral, ficando entre os Top 8 finalistas.

Com o apoio do Arquicultura, que desenvolveu para os alunos do 7º ano um conjunto de atividades didáticas nas aulas de Desenvolvimento Acadêmico, surgiu uma dinâmica em que é utilizado o Jogo de Tabuleiro Carcassone. Esse trabalho contou também com a parceria do Super Cérebro e da Devir.

Por meio desse jogo, foi possível explorar as relações de poder do mundo feudal, bem como construir conceitos históricos essenciais relativos à dinâmica da vida urbana e do cotidiano na baixa Idade Média.

De acordo com o coordenador da atividade organizada pela Arquicultura, professor Marcelo Pereira, esse tipo de material paradidático contribui significativamente para o desenvolvimento de habilidades sociais relativas à interação. “Sua vitória e atuação foram fantásticas e muito emocionantes”, alegrou-se o docente.

O vencedor do Campeonato Brasileiro ganha uma vaga para o Campeonato Mundial de Carcassonne, que acontecerá em Essen, na Alemanha, em outubro deste ano.

O que é o Carcassonne?

Em Carcassonne as peças representam um pedaço do sul da França. A cada jogada é colocada uma nova peça, e com ela você deve tentar expandir (ou iniciar) seus domínios de uma cidade, uma estrada, um mosteiro ou dos campos (todos estes locais valem pontos). No momento em que uma nova peça é adicionada, o jogador pode decidir colocar um meeple (marcador) em uma das opções mencionadas. A quantidade de meeples é limitada (sete no jogo base), e por isso a escolha de colocar ou não um desses marcadores permeia todo o jogo – sempre estará se perguntando “vale a pena colocar aqui?”.

Cada vez que é finalizada uma cidade ou uma estrada, o meeple volta ao seu dono, e o local é pontuado. Mosteiros com todas as áreas a sua volta preenchidas também fazem com que o jogador seja pontuado e o meeple retorne. Marcadores nos campos não retornam – a pontuação vem somente no final do jogo.”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: