A forma da água

A forma da água

Paulo Adolfo

30 Novembro 2018 | 16h45

Imagine um meio líquido. Vá um pouco além e visualize que esse meio líquido é uma piscina e, nela, é possível observar a plástica dos movimentos, os desenhos que se formam com pingos d’água que surgem em meio as braçadas. Sinta os respingos nas bordas da piscina, visualize o verde claro da água e o azul vivo dos azulejos.

O cenário não compõe um quadro, embora faça alusão a um. Ele faz parte do dia-a-dia do NAC (Núcleo de Atividades Complementares) do Colégio Marista Arquidiocesano. Uma das especialidades do núcleo refere-se a atividades aquáticas com propostas inovadoras e criativas.

Para além da técnica

As aulas de natação do Núcleo fazem com que os alunos alcancem uma dimensão mais humana e entrem em contato com as sensações e emoções.

Para cada um dos quatro estilos — crawl, costas, borboleta e peito —, é trabalhada a coordenação fina de um modo parecido ao das aprendizagens da leitura e da escrita. Entre um movimento e outro, sensações motoras e sinestésicas são estimuladas nos praticantes.

Os ganhos com a prática da natação são extensos e passam pela tranquilidade do sono, melhora da saúde, aumento do gasto de energia, liberação da agressividade, fortalecimento corporal, entre outros.

A presença do lúdico na piscina

Mesmo nas aulas clássicas de natação, os profissionais do NAC assumem, em 2019, o desafio de desenvolver o processo criativo na piscina a partir da presença do lúdico como estratégia pedagógica.

Os pequenos, que começarão a ter contato com as atividades, na água serão estimulados, no início das aulas, com brinquedos e com histórias. As narrativas abordarão desde “Quem inventou a natação? ” até curiosidades sobre quais são as maiores piscinas do mundo, por exemplo. Encantamento e adesão às aulas serão resultados dessas abordagens.

Travessia do Canal Mancha

À beira da piscina, olhares e ouvidos dos maiores estão atentos para captar informações sobre a Travessia do Canal da Mancha. Atenção: não se trata de Geografia. São os Professores de Educação Física que explicam como a travessia é feita entre França e Inglaterra, despertando a curiosidade dos alunos para saberem mais sobre a parte técnica da natação, passando inclusive pelas diferenças entre nados (piscina x mar). A cena descrita acima poderá ser vivenciada a partir do ano que vem.

Pegar onda em plena piscina. Por que não?

Durante uma semana por ano, a piscina do Arquidiocesano vira mar. Crianças e adultos, munidos de suas pranchas, invadem a água para aprender um pouco sobre o surfe. Nesta vivência aquática, em cima da prancha, os participantes assumem o desafio de sair remando, com movimentos do estilo crawl. Convivência, socialização, autoestima e diversão estão entre os ganhos desta vivência.

Em 2019, o NAC disponibilizará aos alunos a tirolesa na piscina. Atração radical que promete divertir a moçada.

Piscina sem traumas

Não há espaço para traumas na piscina do Marista. O projeto Medo d’água contempla pessoas de 40 a 90 anos que têm medo/pânico/pavor de piscina e sonham com um mergulho. O projeto conta com equipe especializada que presta cuidados variados e suporte aos adeptos do programa, muitos passam a nadar e ‘desfilar’ em outras águas.

Por meio de diversas atividades aquáticas, o NAC (Núcleo de Atividades Complementares) mostra, na prática, que é possível associar o esporte com disciplinas pedagógicas, estimulando habilidades socioemocionais, fomentando uma Educação Integral.