Perdas sem mortes para o Corona

Colégio FAAP

08 de junho de 2020 | 11h23

Vivendo grandes tragédias, tendemos por subestimar os pequenos dramas do cotidiano, mas, para nós educadores, guerreiros da esperança, qualquer perda humana fere na carne!

Não será exceção, na maior parte das melhores escolas, a evasão de alunos pela incapacidade de conciliar e suportar as agruras da pandemia com a gestão das dores do crescimento. Se a última variável, sobretudo para os adolescentes, já é um grande enfrentamento, o que não pensar da sua complexificação em meio às incertezas mundiais?

Especialistas no doce combate de apoio aos nossos alunos no difícil caminho à maturidade, sempre nos valemos, com muito êxito, da força de uma cultura de empatia, carinho e cuidadoso acompanhamento de cada passo dessa delicada escalada ora agudizada pelo distanciamento da educação on line.

E nunca é demais lembrar que ensino on line é algo muito diferente de educar on line, propósito de que, mesmo na mais absoluta exceção, não abriremos mão. Se muitos cederam às dificuldades, o Colégio FAAP se manteve fiel à sua missão de educar!

Assim, buscamos superar todas as dificuldades inerentes à frieza do distanciamento físico para detectar dificuldades, para intuir desânimos para estarmos, junto com as famílias, nessa fase em que nossos jovens tanto precisam de incentivo.

Como nesse mar de incertezas, pequenos obstáculos podem ser agigantados pelos jovens, cabe aos educadores um estado de alerta máximo para ler sinais, intuir obstáculos e estarmos mais juntos do que nunca deles, motivos de nossa existência.

Mesmo que a capacidade de crianças e jovens de superar dificuldades seja enorme, sua sensibilidade exacerbada, nestes tempos, cria riscos cujas marcas podem ser definitivas. Assistir à desistência da vida escolar, ou a busca de “caminhos mais suaves” por um aluno sempre será uma perda que trará, inevitavelmente, a dúvida de que poderíamos ter feito mais, de que deveríamos ter estendido mais longe nossas mãos.

Perder para a vida o educando é o clímax da missão do educador. Mas perdê-lo para a desesperança, para a busca de atalhos mais fáceis, para a fuga dos obstáculos, é derrota difícil de aceitar!

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP. Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: