Orgulho e honra: ser professor

Orgulho e honra: ser professor

Colégio FAAP

28 Outubro 2016 | 18h28

Orgulho-e-honra-ser-professor

Filho de professor, praticamente, nasci em uma escola e, até hoje, tenho esse imenso privilégio. Conviver, intensamente com crianças e jovens, é a tão desejada fonte da juventude, é o renascimento a cada turma que se forma, é viver a história no seu limite vital.

Mas, a essa dádiva da educação, correspondem encargos e sacrifícios que, aos não vocacionados, são barreiras intransponíveis. Preparar, orientar e selecionar profissionais para a educação tem sido tarefa, cada dia, mais difícil e, lamentavelmente, menos assistida pelos poderes públicos.

O poder de um professor de promover ou destruir um ser humano é de tal monta que, bastaria que fizéssemos uma breve vistoria em nossas reminiscências escolares, para atestarmos a veracidade desta afirmação. Professores inesquecíveis que, ou nos encantaram com conteúdos áridos, ou comprometeram certas áreas do conhecimento com tratamentos antipedagógicos.

O verdadeiro professor é aquele que supera tudo diante de um grupo de alunos. Maus salários, condições insatisfatórias, falta de reconhecimento dos dirigentes, não existe dissabor que não seja resgatado por dois olhos atentos, ou por um maroto sorriso de gratidão.

Em paralelo aos professores que figuram nos extremos da avaliação dos alunos, existe um grande grupo que, por estilos próprios, buscam o trabalho mais discreto e, a esses operários do saber que constroem seres humanos com pertinaz humildade, quero dedicar uma homenagem especial, pois são eles que, sem aparecer no foco dos refletores, fazem a tarefa mais meritória, aquela que constrói com segurança e paciência. Ao professor que não sobe ao pódio das formaturas, minha gratidão.

E essa divina loucura que nos faz vencedores com uma nota boa de um aluno em dificuldades, que não necessita de reconhecimento e que vive no ar saturado de esperança das salas de aula, a gratidão de todos os que – por ela contagiados — vivem da esperança de que se pode, sempre, melhorar.

 

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP.
Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br