“O sedentarismo e a obesidade juvenil no Brasil aumentam a cada ano e estão se tornando um caso de saúde pública”

“O sedentarismo e a obesidade juvenil no Brasil aumentam a cada ano e estão se tornando um caso de saúde pública”

Colégio FAAP

29 de março de 2019 | 15h14

Para o professor Gilberto Coelho, do Colégio FAAP, a Educação Física escolar é uma das alternativas para ajudar a mudar esse cenário

Esportes coletivos, como basquetebol, futsal, handebol e voleibol, além de brincadeiras e práticas lúdicas, fazem parte da rotina dos alunos do Colégio FAAP, que tem à frente das atividades, desde 2005, o professor Gilberto Coelho, especialista em metodologia do treinamento para o esporte de alto rendimento, com formação em Fisiologia do Exercício.

“Educação Física escolar é uma ferramenta fundamental para contribuir positivamente e de forma significativa para a saúde pública de maneira geral. Quanto mais oportunidades de movimento e de esportes dentro da escola, mais oxigenado será o ambiente escolar. Com certeza, teremos cidadãos mais felizes e saudáveis, além de conscientes sobre as questões sobre o corpo humano e a relação desse corpo com o movimento”, disse o professor, em entrevista ao Blog. Confira em seguida a entrevista completa.

Para o professor Gilberto, “a atividade física regular é importante em qualquer fase da vida” (Foto: Fernando Silveira)

 

 

Como são as aulas de Educação Física no Colégio FAAP? Há atividades específicas para cada ano?

A Educação Física no Colégio FAAP olha para o adolescente e suas características com relação ao desenvolvimento, crescimento e maturação física de forma global, preocupando-se com o desenvolvimento das habilidades motoras, capacidades físicas e cognitivas. Nas aulas, as meninas e os meninos participam juntos e as atividades práticas são elaboradas para o ensino médio como um todo. Em algumas situações existem atividades especificas para cada sala. A adolescência é a fase de sistematização do conhecimento. Por isso, as aulas “teóricas” com relação à saúde, hábitos, treinamento físico, cultura do corpo e esportes são elaboradas de acordo com o perfil de cada sala. Considero sempre o interesse da sala pelo tema.

Qual a importância da atividade física para o jovem?

A atividade física regular é importante em qualquer fase da vida, desde a infância até a terceira idade, com características específicas em cada uma. No caso do adolescente que está no ensino médio, as aulas mostram e conscientizam sobre a prática regular de atividades, discutindo e mostrando quais capacidades físicas estimulam mais, ajudando o jovem a adquirir uma base de conhecimentos para que, dentro do possível, tenha autonomia com relação à escolha da atividade física que queira fazer, e caminhando para uma fase adulta com um estilo de vida ativo. Outro ponto é abordar durante o Ensino Médio questões ligadas aos hábitos alimentares, que são fundamentais num estilo de vida ativo, a importância do sono e gestão do tempo na internet e as novas tecnologias ligadas à Educação Física de maneira geral.

Em tempos de preocupação fitness, como direcionar as aulas num sentido pedagógico?

Hoje o interesse é muito grande por parte dos alunos sobre os temas ligados às praticas de atividade física. Uma estratégia é fazer levantamentos nas próprias aulas sobre o perfil dos alunos. Assim, a elaboração e o planejamento das aulas pode se enquadrar no que eles desejam. As aulas “teóricas” são um meio pedagógico de abordar temas específicos, sempre procurando aliar a prática.

Como tratar casos de sedentarismo juvenil?

O sedentarismo e a obesidade juvenil no Brasil aumentam a cada ano e estão se tornando um caso de saúde pública, situação essa que envolve toda a sociedade. Países que passaram por essa situação e estão conseguindo reduzir o sedentarismo e a obesidade juvenil perceberam que a escola tem um papel fundamental. A Educação Física escolar é o segredo e a chave para ajudar nesse problema. Por isso a necessidade de se colocar aulas de Educação Física no mínimo três vezes durante a semana. A prática de esportes é o caminho para fazer com que as crianças e jovens se movimentem e se tornem fisicamente ativos. Se não olharmos urgentemente para esse ponto, num futuro bem próximo pagaremos o preço em razão dos diversos problemas de saúde decorrentes do sedentarismo e da obesidade.

Enfim, Educação Física escolar é uma ferramenta fundamental para contribuir positivamente e de forma significativa na saúde pública de maneira geral. Quanto mais oportunidades de movimento e de esportes dentro da escola, mais oxigenado será o ambiente escolar. Com certeza, teremos cidadãos mais felizes e saudáveis, além de conscientes sobre as questões sobre o corpo humano e a relação desse corpo com o movimento.

Os alunos do Colégio FAAP contam com aulas de esporte coletivo, além de atividades lúdicas. (Foto: Fernando Silveira / FAAP)

Como integrar os alunos que não gostam de esportes?

Esse desafio é grande em todas as disciplinas. No Português, por exemplo, há os que não gostam de gramática; em Química, os que acham aquilo que estão escutando e aprendendo não é importante para a vida; em Biologia, tem aqueles que não gostam de botânica; em Matemática, não gostam de equação de segundo grau e assim por diante. Na Educação Física, o desafio é grande para o professor hoje em dia, porque muitos adolescentes percebem suas aspirações e vocação para determinada área e se fecham para aprender aquelas que possuem mais dificuldade. Diante disso, penso que é fundamental o professor estabelecer estratégias e recursos para mostrar a importância e a relação daquilo que ele está transmitindo para a vida do jovem, dando um real significado sobre aquele tema específico.