Na luta contra o desconhecido, a única arma é a humildade

Colégio FAAP

29 de maio de 2020 | 15h43

Ninguém jamais ensinará, se não souber aprender; ninguém nunca aprenderá, se não tiver a humildade para reconhecer a própria ignorância. Nem sempre recorrer ao óbvio é ofensivo a quem nos dirigimos, sobretudo em tempos onde parece que o bom senso, o equilíbrio e a razão vão cedendo espaço ao obscurantismo e à pior forma de ignorância, a prepotência.

Dois meses de exceção e cinquenta anos de profissão me permitem confirmar obviedades preciosas e, dentre elas, olhando o trabalho da minha equipe, a importância de se enfrentar com humildade os grandes desafios. Assisti, com muito orgulho, educadores experientes e eficazes (professores e funcionários) se reformularem, se despirem de suas certezas para encarar o desconhecido.

Não é tarefa simples, num piscar do noticiário, ter que abrir mão de toda uma experiência de décadas de reconhecido sucesso para, numa situação absolutamente imprevisível, tentar continuar a educar quando, quase tudo, deseduca e conduz à desesperança!

Não é apenas a reformulação e a criação de ferramentas didáticas para se manter vivo um projeto pedagógico sério. O desafio não se limita à revisão de tudo o que se fazia, mas o encarar com humildade e abertura nossas limitações, nossas mais íntimas resistências ao novo, abrir mão de nossa vaidade sem perder a dignidade.

Não se pode enfrentar o desconhecido com a prepotência de uma civilização que se crê detentora de uma superioridade tecnológica sobre-humana ou que, no polo oposto, confere a Deus a responsabilidade pela sua incapacidade em assumir suas limitações.

E um cenário no qual a ignorância enfrenta o conhecimento, como se opinião valesse mais do que ciência, a falta de humildade é o verdadeiro estopim do caos!

A exemplo dos meus educadores que se obrigaram a se reinventar, que se debruçaram sobre o desconhecido com a humildade do verdadeiro aprendiz que sabe que a humildade é o único caminho para se chegar a mestre, torço para que a humildade seja o grande ensinamento da pandemia!

Educar quando a prepotência (forma mais aguda da ignorância, pois agressiva) vai se travestindo em firmeza moral, é ter que desconstruir, pela força de um ideal, uma pandemia paralela: terrível desafio!

 Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP. Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br

 

Tudo o que sabemos sobre:

Colégio FAAPFAAPeducação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: