Educar: o elogio do erro!

Colégio FAAP

05 Março 2018 | 16h19

Nestes dias de retomada das aulas, onde há maior boa vontade para os estudos, é  uma boa oportunidade para nos anteciparmos a problemas recorrentes e que podem se tornar crônicos.

Na categoria acima apontada, nenhum desafio é mais persistente e frustrante do que ajudar os alunos de hoje a criarem o hábito de estudar.

Aqui, um prefácio pessimista: quer pela resistência dos educadores em se renovar, quer pela aridez dos conteúdos e materiais didáticos, quer pelas mudanças sofridas pelas novas gerações e, sobretudo, pela oferta de um imenso universo lúdico nas redes digitais, criar um hábito de estudo se tornou uma tarefa hercúlea.

Primeiro e essencial passo é a busca dessa rotina nas primeiras séries do ensino fundamental. Nelas, é vital destacar, marcas positivas ou negativas serão profundas e, quase sempre, indeléveis.

Muito mais importante do que um espaço adequado (com iluminação e conforto satisfatórios) será a postura dos educadores, fator importante de êxito ou fracasso de qualquer sessão de estudos: pressa, falta de total atenção ou nervosismo são parteiros de desastres pedagógicos facilmente evitáveis.

Assim, o princípio de ouro para o educador sempre deverá ser o do elogio do erro. Se opondo frontalmente ao fracasso, o erro deve ser incentivado e aplaudido enquanto intenção de acerto, como valorização de esforço e, jamais, como sinal de incompetência.

Não importa se o erro seja provocado por desatenção, desinteresse ou, sobretudo, por dificuldades: apoiar, motivar, entusiasmar a persistir devem ser as únicas atitudes cabíveis ao educador!

E pensar no tempo no qual, verdadeiros monstros travestidos de professores contemplavam os erros de seus alunos com a “frase elogiosa” padrão: “Seu burro, você não pensa?”

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP. Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br