Educar na Era da Desinformação

Colégio FAAP

09 de agosto de 2019 | 11h34

Existem na educação detalhes de suma importância, aos quais não é dada a devida importância e que conduzem os alunos ao conhecimento crítico de suas realidades. Esta é, indubitavelmente, a tarefa que se impõe como pré-requisito para dar ao conhecimento sentido e utilidade. No entanto, tem escapado ao educador a ação essencial para que se possa atingir tal objetivo: o desenvolvimento de instrumentos de análise e censura para se escoimar a informação de suas cargas ideológicas, inconfessáveis e subliminares.

Por muitos anos, professor de Ciência Política no curso de Administração, cuidei, sistematicamente, de fazer os alunos se darem conta de que a boa informação é um dos mais valiosos produtos e que, para obtê-la, era primordial identificar os interesses envolvidos na sua divulgação. Se não mais cabe discussão sobre a existência de ciência neutra, como minimizar o absurdo de “informações indiscutíveis” num cenário permeado de tantas variáveis escusas, numa infinidade fluida de fontes?

Se, insistimos, vivemos na Era da Ignorância pelo Excesso de Informações, há que explicarmos que tal ignorância advém, sobretudo, de nossa incapacidade de discernimento, da dificuldade de estabelecer critérios de análise ante a velocidade e o volume da divulgação da informação.

Lutar contra o poder absolutista dessas mídias digitais que sequestram e agridem impiedosamente nossos jovens é um vital dever da educação contemporânea. De que adianta aulas de atualidade, seminários, pesquisas se nossos alunos não tiverem suas atenções despertadas para a qualidade e os interesses camuflados nas fontes?

Alunos críticos estarão sempre preparados para ouvir e discernir, para buscar suas próprias posições incólumes de influências ou pregações.

Se já era um desafio monumental tentar fazer os estudantes entenderem que “aquele indispensável telejornal” não era o porta-voz da verdade suprema, trabalhar contra a ditadura das redes sociais será, doravante, um dos reptos da educação, para que não tenhamos gerações de ignorantes bem informados.

 

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP. Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

 

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br

Tendências: