Coragem, pertinácia e esperança: ingredientes essenciais da educação

Colégio FAAP

11 de junho de 2021 | 14h48

Em tempos de crise profunda, defeitos e qualidades são amplificados. A História é pródiga em exemplos de superação, heroísmo, pusilanimidade e covardia exemplares que, atualmente, povoam as manchetes e o nosso entorno.

Mas falemos dos que não entregam ao desânimo e ao descaso seus ideais, ou seja, os educadores de raiz.

Mesmo que estejamos descrevendo o óbvio, nunca será demais lembrar o que a educação vive, em nossos dias: a grande maioria dos alunos, nas escolas menos assistidas, privados das condições normais de ensino, estão submetidos a defasagens de difícil superação pela política educacional vigente; nas escolas mais instrumentalizadas que operam a abordagem híbrida (alunos presenciais e on line), limitando o convívio e as consequências antipedagógicas dele, constatam prejuízos pedagógicos de difícil superação.

A tudo isto, acrescente-se o quadro de horrores, incertezas e insegurança vivido no qual a educação deve ser pensada como o setor mais sensível e estratégico da sociedade. Lidar com a formação de crianças e jovens é (e se sempre foi) começo e fim de qualquer projeto civilizatório, onde se define o que se quer para o futuro.

Observando com isenção e cuidado o trabalho da equipe pedagógica e docente do Colégio FAAP pude confirmar a profundidade, solidez, a constância e dedicação a seus ideais educacionais. Dizer que o trabalho pedagógico teve sua qualidade rigorosamente mantida é de profunda injustiça, pois podemos constatar que, para superar as condições adversas, nossa equipe se empenhou, vivendo uma inesperada realidade pedagógica, em superar tudo para melhorar o que já era excelente.

Impensável imaginar educadores cujos olhos não brilhem à frente de uma classe.

Educar é e sempre será ordenhar pedras, se essa for a tarefa, para se conseguir a seiva pedagógica que forma seres humanos.

Se observarmos os momentos críticos de autoritarismo verificaremos que as instituições de ensino sempre foram as primeiras a serem reprimidas e as últimas a se render enquanto trincheiras da esperança no que é jovem e não se sacrificar!

 

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP. Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

 

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br

Tudo o que sabemos sobre:

Colégio FAAPFAAPEnsino Médio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.