Considerações necessárias sobre a inclusão escolar

Colégio FAAP

23 de agosto de 2021 | 09h28

Pensando na dificuldade dos pais com a educação inclusiva, retorno ao tema na medida da importância e delicadeza que o trato das diferenças nas escolas exige: questão que, recentemente, foi motivo de pronunciamento.

Evidentemente há que se referir aos casos onde, por mais aparelhada que seja uma instituição regular de ensino, a agudeza da excepcionalidade demandaria abordagens efetivamente especializadas. Nesses casos, cabe à instituição de ensino e à família, a partir de diagnósticos acurados, estabelecerem a melhor opção para o educando. Atitudes emocionais ou comodistas, comuns nestas situações, podem trazer consequências desastrosas tanto para o educando quanto para a comunidades escolar.

O primeiro passo para o ingresso escolar de um estudante com necessidades especiais (como tudo o que envolve as relações família escola), é um aberto e o mais honesto possível diálogo, onde todas as necessidades, dificuldades e recursos para o atendimento especial sejam objetivamente colocadas. Qualquer omissão, qualquer descuido implicam, quase sempre, em situações terminais ou de difícil superação nos processos educativos.

É relativamente comum as famílias omitirem (com intuito de evitar preconceitos ou por pudor) detalhes eventualmente mais “delicados” de seus filhos e que, no cotidiano, afloram e comprometem o processo de inclusão. Mas, a aceitação a priori de qualquer desafio de inclusão, só é possível desde que se tenha um completo quadro das reais dificuldades do aluno.

Saber das limitações do educando e apresentar a cultura do colégio é a verificação real do quanto o processo inclusivo será factível e, sobretudo, eficaz. Fantasias construídas pelo desejo de aceitar um desafio, bem como quimeras de que se consiga dar a um estudante diferente a possibilidade negada por outras instituições, é a construção de uma tragédia anunciada onde a frustação do projeto marcará negativamente vidas.

Em suma, inserção é, essencialmente, produto de uma cultura coletiva de acolhimento que nasce da coesão trabalhada da comunidade escolar em receber e amparar diferenças que se normalizam.

A inclusão exitosa é um importante fator de aprendizado social que dá à escola a indispensável e vital sensibilidade para as diferenças, fundamento primeiro da cidadania!

 

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP. Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

 

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.