A única coisa que ensina de fato

Colégio FAAP

07 Julho 2016 | 12h12

Exceto no campo do direito constitucional, as leis pétreas, intocáveis, seriam raridade e, entre essas exceções, figura a educação.

O maior desafio do educador sempre foi e será o ensinar e, nele, está o princípio indiscutível da educação: apenas, e tão somente, o exemplo ensina!

Nada é tão simples e evidente quanto comprovar a afirmação. Comecemos pela formação dos princípios éticos e morais do educando, onde argumentos contrários ao princípio defendido não têm força. Por mais que educadores discursem sobre o certo e o errado, sobre o bem ou mal, será sua prática exemplar que dará credibilidade ao discurso, ou o anulará na fonte.

Nada é tão conflitante do que um pai, condenando as drogas, com o seu cigarro aceso; nada é tão comum e contraditório, do que adultos recomendando prudência e cuidado a seus filhos de um celular no trânsito. Para abreviar uma muito longa lista de incoerências corrosivas, desconheço atitude mais nociva do que a condenação dos “crescidos” aos jogos eletrônicos quando, os mesmos, passam horas nos celulares em conversas vazias nas redes sociais. É um mar de contradições que anulam um oceano de palavras bem intencionadas.

Assim como os pais devem dar bons exemplos em casa, numa sala de aula, é o exemplo do professor apaixonado pela sua disciplina que estimula, apoia e orienta seu aluno a segui-lo. Mais do que a boa didática, é a dedicação do professor pelo aluno que o ajuda a aprender, a superar as dificuldades das ciências, pois na era da informação abundante e rápida, será o exemplo de atenção ao estudo dos mais velhos que levará os jovens a emulá-los.

Como se pode convencer da eficácia do aprender, quando políticas públicas menosprezam a educação? Como convencer um jovem a estudar com as mãos vazias de livros? Como incentivar o aprender quando se enaltece as vitórias da esperteza inculta?

Finalmente, nada é tão pouco exemplar e, portanto, tão deseducativo, do que assistir os pseudo defensores da nossa democracia em atitudes autocráticas e corruptas, ferindo na alma a gestação de uma cultura democrática, única condição de nascimento e manutenção dessa tão cobiçada meta civilizatória.

 

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP.
Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br