A didática híbrida: a nova saga da educação

Colégio FAAP

30 de abril de 2021 | 17h54

Com o afrouxamento do distanciamento social, a probabilidade de que as famílias (mais seguras) liberem seus filhos para a presencialidade escolar é maior, ficando concretizado mais um grande desafio: dar eficácia pedagógica ao ensino híbrido, ou seja, com uma parte de alunos presentes e outra a distância.

No Colégio FAAP, como na maioria das instituições de ensino, a primeira fase dessa modalidade didática (passageira e com baixa adesão) nos permitiu um ensaio de pouca consistência. Mas já revelou a enormidade do desafio de poder oferecer aos alunos a mesma qualidade conseguida com o ensino on line, sobretudo, no presencial: ajustar recursos tecnológicos e abordagens didáticas a essa simultaneidade de situações, sem perder a qualidade, ou seja, nosso atendimento individualizado, interativo e proativo, é o grande desafio.

Como o nosso DNA pedagógico é marcado pela abordagem personalizada e a comunicação dialógica com a comunidade escolar, manter esse padrão inalienável nessa dualidade didática que viveremos demandará muita criatividade, muito empenho. Além disso, exigirá atenta observação sobre efeitos e, sobretudo, o redobrar cuidadoso do suporte e acompanhamento do desempenho de cada aluno.

Não se pode recorrer a soluções imediatistas, mais confortáveis e baratas, sobretudo nas escolas com mais condições e, portanto, com mais reponsabilidades. Já se fazem sentir as consequências nefastas desse comodismo criminoso em termos de desistências, depressão e outras disfunções psicopedagógicas. A monotonia das aulas gravadas e impessoais, as dificuldades da assistência necessária pelo professor dos dois públicos nas aulas e a criação de assistentes despreparados têm gerado uma cultura antipedagógica nefasta já instalada em muitas instituições.

No Colégio FAAP, o reduzido tamanho das turmas facilitou o caminho para uma abordagem mais eficaz, permitiu que o presencial, mais intermitente, reaproxime fisicamente professores e alunos, facilitando a operação on line de didáticas mais ágeis e diminuição das distâncias entre as formas de abordagens. O redimensionamento da situação de cada aluno, propiciado pela reaproximação física, permitiu o equivalente ajuste do tratamento a distância.

O ponto decisivo (em qualquer modalidade didática) e que sempre foi trabalhado em nosso Colégio, é a capacidade, liberdade e criatividade do corpo docente para se adaptar ante situações novas. Quando, da abrupta transição para o ensino a distância, em apenas três dias, retomamos o novo ritmo com as perdas esperadas, mas sem o colapso camuflado.

 

Professor Henrique Vailati Neto é diretor do Colégio FAAP – SP. Formado em História e Pedagogia, com mestrado em Administração. É professor universitário nas disciplinas de Sociologia e Ciência Política. Tem quatro filhos e quatro netos.

 

Troque ideia com o professor: col.diretoria@faap.br

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.