Por que é importante participar de Reunião de Pais?

Colégio Equipe

30 Julho 2015 | 08h00

_MG_0119 TFoto por Mauro Furman

No Equipe fazemos reuniões de pais trimestrais na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I e semestrais no Ensino Fundamental II e no Ensino Médio. Nossos objetivos são apresentar as diretrizes de trabalho para a série ou ano do semestre ou trimestre, exemplificando com a apresentação de trabalhos que serão desenvolvidos nas disciplinas, e também informar como estão o aproveitamento e a dinâmica de interação das turmas.

A percepção de alguns pais é de que as reuniões são importantes, porém chatas. Na minha pesquisa de doutorado investiguei por que os pais têm essa impressão das reuniões. O universo entrevistado era de vinte pais de quatro escolas particulares de São Paulo.

Quais eram os principais motivos levantados pelos pais entrevistados para não gostarem de participar de reuniões de pais?

1. Os responsáveis pela coordenação das reuniões não conseguem manter o foco nos temas de interesse de todos, fazendo com que questões individuais prevaleçam sobre as coletivas.

2. A escola muitas vezes foca em aspectos normativos e procedimentais e não em educacionais e pedagógicos.

3. Os educadores, muitas vezes, conduzem as reuniões como se os pais fossem estudantes.

_MG_0103 TFoto por Mauro Furman

Para evitar esses problemas, aqui no Equipe enviamos com antecedência a pauta das reuniões de cada ano ou série. Retomamos, no início de cada reunião, essa pauta e sempre planejamos um tempo final para que os pais levantem perguntas sobre outros assuntos que não foram incluídos. Os coordenadores das reuniões procuram seguir o que foi planejado, incluindo a participação dos pais. Quando se percebe que a questão de alguma família é mais pessoal do que coletiva, sugerimos que seja feita uma reunião individual para discuti-la.

Eventualmente fazemos alguns esclarecimentos sobre normas e procedimentos, mas é importante que a escola os tenha em documentos escritos (cartas ou regimentos) e que as famílias possam acessá-los, se necessário. Assim, procuramos dedicar as reuniões para expor nossos objetivos de trabalho e nossas justificativas pedagógicas para desenvolvê-los. Sempre exemplificamos com os trabalhos que serão propostos aos alunos e contamos com a participação dos professores que irão conduzi-los. Também procuramos abordar como os alunos estão interagindo com o grupo-classe, com o conhecimento e com a escola como um todo.

Reconhecemos que os pais se interessam pelo dia a dia dos estudantes e que quanto mais a escola conseguir mostrar isso com trabalhos feitos por eles, melhor. Muitas vezes os pais têm apenas a visão individual do filho sobre determinado professor ou trabalho e na reunião de pais observam que outros estudantes têm impressões diferentes. As reuniões, quando bem conduzidas, não só permitem que os pais acompanhem o estudo dos filhos de forma mais contextualizada, como também podem ser importantes espaços de reflexão e de formação para os pais.

Atualmente, família e escola são as duas principais instituições responsáveis pela educação de crianças e jovens. Cabe à escola estabelecer vínculo com as famílias e, assim, possibilitar que elas se comprometam com o acompanhamento da aprendizagem e com o desenvolvimento integral de seus filhos. A reunião de pais é um espaço privilegiado para isso e pode ser um espaço formativo também para os pais. Afinal, a paternidade e/ou maternidade não se constituem apenas com o nascimento dos filhos, mas são aprendidas na relação com eles e também construídas socialmente.

_MG_0062 TFoto por Mauro Furman

Luciana Bittencourt Fevorini
Doutora em Psicologia Escolar pelo IPUSP e Diretora Escolar do Colégio Equipe.