O aprendizado do inglês para a vida profissional

Nathalia

18 Junho 2018 | 15h47

Você já parou para refletir como será a vida após o período escolar? O mercado de trabalho, seja a construção de uma carreira em uma companhia ou o empreendedorismo, é uma realidade para praticamente todos que hoje são alunos e é de extrema importância já começar a pensar sobre o quanto alguém que tem o inglês como segunda língua sai na frente dos demais nas suas profissões.

O que antes era desejável, hoje praticamente tornou-se obrigatório. Afinal, não é raro encontrar no LinkedIn, por exemplo, vagas que pedem entre os pré-requisitos o domínio do idioma. Modismo? De forma alguma! É o inglês que no mundo globalizado em que vivemos hoje conecta os negócios, os parceiros, os colegas de trabalho, as filiais. Também é por meio dele que a inovação se espalha. Isso porque, a maior parte das tendências que regem as novidades nasce em polos, como o Vale do Silício, em São Francisco, nos Estados Unidos, e também em função da maior parte da literatura que atualiza a esfera acadêmica sobre os novos fatos e movimentos ser produzida no idioma por conta da facilidade de propagação das ideias.

Apesar de essas evidências serem válidas, os números também nos afirmam essa realidade. Segundo um levantamento feito por Cambridge Assessment English e pela QS Intelligence Unit, que atua com coleta de dados do mercado empregador e de educação, um em cada cinco gestores da liderança dos negócios globais ainda não possui os conhecimentos de língua inglesa necessários para atender a expectativa das empresas.

A pesquisa reflete ainda uma contradição e um alerta. Apesar de mais de 95% dos empregadores de países não nativos em inglês terem declarado que o idioma é importante e representa a língua dos negócios, apenas uma em cada vinte empresas, o que corresponde a 4% das entrevistadas, planeja investir na melhoria das habilidades de inglês das suas equipes. Por outro lado, metade delas oferecem um melhor pacote de benefícios e uma progressão mais rápida para aqueles que possuem bons conhecimentos de língua inglesa.

E não para por aí. Uma pesquisa da Catho divulgada em 2017 aponta que um profissional bilíngue recebe até 61% a mais de salário do que um monoglota.

Ou seja, a partir de tudo isso é possível concluir que o mercado de trabalho espera que os profissionais cheguem prontos em relação ao conhecimento do inglês. E está pronto também para valorizar o período em que os indivíduos se dedicaram aos estudos por meio de benefícios e oportunidades mais interessantes e atrativas para reter e desenvolver esses talentos. Então, podemos afirmar que aqueles que possuem domínio no idioma, sem dúvida, saem na frente dos demais concorrentes para as melhores posições.

Em contrapartida, é bastante comum vermos jovens descobrindo toda essa realidade de forma mais tardia, quando, por exemplo, ingressa na universidade. Isso faz com que a necessidade da língua seja sentida em um momento muito próximo da ocasião do seu uso e aí ainda é preciso percorrer todo o caminho do aprendizado, que é um processo que leva algum tempo. Então, quanto antes despertarmos para isso, mais cedo estaremos prontos para alcançar as ambições profissionais.

Se esse é o seu caso, aqui vai uma sugestão de como se diferenciar (e também o seu currículo) do restante das pessoas em função do seu inglês: os exames internacionais que medem a proficiência do idioma. Eles resultam em certificados isentos que comprovam o domínio em determinado nível e conferem prestígio aos que obtém sucesso nas provas. Aqui nós já fizemos um apanhado completo sobre as opções de Cambridge English para cada etapa da vida.

O Brasil é um país que despertou mais tardiamente para entender a importância do idioma para a competitividade, mas começamos a perceber mudanças importantes recentemente. Ainda temos muito o que construir, mas criar consciência do quão necessário é o domínio da língua já é um grande passo.