Gerenciamento de tempo – maneiras práticas de tornar sua vida (de professor ou aluno) mais fácil

Cambridge Assessment English

17 de janeiro de 2022 | 10h05

Aprender e ensinar não são tarefas fáceis e todos nós nos encontramos diariamente gerenciando inúmeras e enormes responsabilidades que nos tomam tempo – seja no papel do professor ou do estudante. Não é surpreendente que, no final da semana, muitas vezes alunos e docentes sintam-se exaustos e ainda com muitas entregas a fazer. Porém, no início do ano é comum que a gente use o fôlego da renovação para buscar formas de fazer as coisas diferentes e melhores ao longo dos meses. E a grande questão é: pode haver realmente uma maneira de fazer mudanças sustentáveis ​​que nos permitam ter mais tempo para nós mesmos, sem sacrificar o progresso do aprendizado!

Desde 2020 alunos e professores têm vivido um período extremamente difícil e desafiador. Essa situação de incerteza, apesar de minimizada no momento, pode voltar a acontecer com mais ou menos frequência e intensidade ao longo de 2022. Entretanto, no longo prazo a educação continuará a se beneficiar das boas práticas aprendidas (ainda que de forma muito difícil) nos modelos remoto e híbrido. Essas lições podem nos ensinar muito sobre como administrar melhor o tempo de exposição ao aprendizado. Confira três exemplos práticos:

  • Faça uso de recursos online

Para muitos professores, o uso de materiais online antes da pandemia pode não ter parecido necessário, pois os alunos já têm muito material vinculado aos seus livros didáticos. Ou pode ser que sua aplicação não fosse viável na sala de aula pré-pandêmica em função de exigir recursos como conexão com Internet e computador. Mas com o novo ambiente da educação, eles passaram a oferecer um vasto suporte aos docentes. Isso porque, esses materiais, recursos ou ferramentas são projetados para apoiar as necessidades dos diferentes alunos e, mais importante, eliminar a obrigatoriedade de os professores monitorarem e marcarem o trabalho como ‘concluído’.

Por outro lado, os alunos passaram a ficar ainda mais tempo conectados. E isso representa um risco e uma oportunidade. O primeiro está associado à dispersão, enquanto o segundo se relaciona com o aproveitamento desse momento de atenção para aplicá-la em atividades educacionais, mas que se mostram prazerosas ao mesmo tempo. Ou seja, uma boa forma de otimizar o tempo dos alunos!

Um exemplo de recurso que exemplifica bem as duas situações é o Write&Improve, de Cambridge English. Ao utilizar inteligência artificial, essa plataforma permite  escolher o seu nível de inglês e escrever redações em inglês que são corrigidas pelo sistema, seguindo os padrões do Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas (CEFR). Em instantes o usuário recebe um feedback do que pode ser melhorado e pode refazer sua tarefa para aumentar seus pontos em uma espécie de gamificação.

Para o aluno, utilizar a plataforma para, por exemplo, treinar sua lição de casa de redação em inglês é um ganho de tempo por aprender conforme se desenvolve. Já para o professor a aplicação disponibiliza um dashboard em que é possível criar tarefas para um grupo de alunos vinculados e recebê-las já avaliada tecnicamente pela ferramenta. Ou seja, ela se torna um aliado ao liberar o docente dessa atividade técnica, permitindo que ele tenha mais tempo para se debruçar no plano de ação para desenvolver os pontos de melhoria da sua turma.  

  • Ganhe tempo com a independência 

A educação remota carregou consigo o desenvolvimento da independência individual dos estudantes e, como consequência, de um papel de co-responsabilização deles para com o seu avanço e aprendizado. Por isso, aos professores fica o incentivo para que estimulem os alunos a trabalharem de forma independente. E para os alunos, fica a sugestão de se tornarem mais donos do seu avanço.

O estudo independente pode ser mais focado em suas necessidades e interesses, por exemplo. É sabido que em toda classe de alunos há uma certa heterogeneidade de níveis de domínio da língua inglesa, com diferentes pontos fortes e fracos entre os estudantes. E, enquanto as atividades de classe não podem atender a todas as necessidades individuais ao mesmo tempo, o aprendizado individual personalizado on-line pode.

Se a prática leva à perfeição, indicar tarefas específicas que podem ajudar as crianças e adolescentes a resolver um gap no seu aprendizado é uma maneira de o professor ganhar tempo e reforço para que ele seja sanado. Assim como é um caminho para que o aluno economize tempo na descoberta dos seus pontos fortes e fracos e possa aplicar esse ganho em estimular o que precisa ser evoluído.

Uma dica nesse sentido é a seção Learning English do site de Cambridge English. Ao todo são mais de 170 tarefas gratuitas e divididas por nível de inglês, por habilidade que você deseja exercitar e também pela disponibilidade de tempo para se aplicar.

  • Concentre o tempo da sala de aula na comunicação e colaboração

Algumas tarefas funcionam melhor em sala de aula e é importante explorá-las totalmente. Um exemplo são as que requerem e desenvolvem habilidades de comunicação e colaboração. E tê-las como o cerne da experiência em grupo é chave para economizar tempo: por um lado para os professores, que não precisam criar formas mirabolantes de avaliar essas habilidades por meio de tarefas de casa que requerem mais tempo de dedicação e, por outro, para os alunos, que são estimulados a produzir e a co-criar em um ambiente controlado e preparado para acolher o erro e orientar a correção, deixando para fora de aula sua dedicação mais aprofundada em reforçar habilidades específicas que podem ser maior êxito no estudo individual (o que não é exatamente o caso da produção oral, por exemplo).

Para estimular atividades que promovam esses ensinamentos em sala de aula, os professores podem buscar planos e exemplos dentre os que Cambridge English disponibiliza aqui, segmentado por nível de inglês da turma e ainda por formato de aplicação.

Já para ganhar segurança na produção oral para participar das aulas e avançar na habilidade, a dica para os alunos é praticar com o Speak&Improve, desenvolvida nos mesmos moldes do Write&Improve, mas com feedback sobre o atual estágio da sua habilidade de speaking.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.