Engajando crianças em diferentes níveis de aprendizagem

Cambridge Assessment English

14 de março de 2022 | 08h13

Durante o auge da pandemia de Covid-19 uma das principais medidas tomadas para frear a disseminação da doença foi colocar as crianças no método de ensino à distância (EAD). Foi uma medida essencial para proteger professores, alunos e familiares, mas que pode ter tido uma repercussão na forma como as crianças absorveram o conteúdo nesses últimos dois anos.

O retorno das aulas no final de janeiro e início de fevereiro marcou a volta oficial e ampliada dos alunos ao método presencial de ensino e o que se notou foi que a experiência de aprendizagem remota foi diferente para cada estudante, gerando algumas lacunas no conhecimento e na aprendizagem.

Claro que todos os alunos progrediram. No entanto, alguns puderam se dedicar mais do que outros ao método EAD, além do fato de que uma parte das pessoas naturalmente possui mais facilidade de adaptação ao contexto. Pensando nisso, hoje trouxemos algumas sugestões para pais e professores engajarem as crianças que estão em níveis diferentes do que os colegas.

Como as crianças aprendem um novo idioma?

Já falamos um pouco sobre isso aqui, mas são diversos fatores envolvidos no processo de aprendizagem de cada indivíduo, seja ele adulto ou criança, menina ou menino. Para começar, é comprovado que meninas têm a tendência a se desenvolver na linguagem mais rapidamente. Mas, de forma alguma isso torna o aprendizado de um novo idioma uma “coisa de menina”, pois ele é fundamental para qualquer gênero.

Outro fator, com certeza, é a idade. Normalmente, crianças que estão no ensino fundamental estão aprendendo a primeira e a segunda língua simultaneamente. Portanto, aquelas que possuem uma base mais sólida da língua materna terão mais facilidade na hora de aprender um idioma secundário.

Já os mais velhos e adolescentes estão em um momento de criação de identidade e exploração da própria personalidade. Isso permite o uso de elementos de cultura pop, filmes, TV, música e videogames. Além disso, já têm uma maturidade maior para a inserção de debates em meio ao aprendizado, algo importante para desenvolver pensamento crítico em um segundo idioma.

Mas, indo além de gênero e idade, há outras dificuldades que uma pessoa pode ter na hora do aprendizado, principalmente nesses últimos anos. Nesse quesito, pais e professores devem se unir para entender o aluno e quais suas dificuldades e lacunas de conhecimento.

Identificando os desafios de um estudante

Essa tarefa é um papel importante do professor e não é incomum que um profissional da educação encontre uma sala de aula com alunos com habilidades mistas e diferentes níveis entre os estudantes. Mas, o mais importante aqui é identificar quais são as principais lacunas de conhecimento em cada aluno e responder às diferenças.

Quando falamos em responder às diferenças, queremos dizer considerar o diferente nível de apoio que os alunos receberam durante o tempo que ficaram fora da sala de aula presencial. Então, é preciso criar estratégias para contemplar todos os estudantes no ambiente escolar e garantir que eles estejam aprendendo algo. Como? Trazendo tarefas que sejam apropriadas para todos os níveis e contemplando todas as habilidades linguísticas.

Abaixo, alguns exemplos para engajar a turma com habilidades mistas:

  • Diferencie as tarefas: torne-as criativas para aqueles que estão mais por dentro do conteúdo. Um bom exemplo se sua sala é de alunos mais novos é incentivá-los a formar letras com massinha. E, para aqueles que não estiverem tão confiantes, ofereça um modelo de linha a lápis. Já aqueles que já são mais confiantes, podem formar palavras combinando uma ou duas letras
  • Use atividades nas quais a velocidade, não somente o conhecimento, são importantes: pode parecer mais difícil para os alunos menos confiantes, mas nesses casos até aqueles mais confiantes podem errar
  • Aproveite os pontos fortes dos alunos menos confiantes: dessa forma, garante que eles contribuam para a atividade. Estude os pontos fortes dos alunos que têm mais dificuldade e crie exercícios que ressaltaram eles e chame-os primeiro para responder
  • Varie o feedback: se um aluno com mais dificuldade se aplicou bastante durante a aula, elogie-o e identifique os pontos nos quais ele precisa trabalhar. Já para os alunos que têm mais facilidade, encoraje-os a corrigir os trabalhos uns dos outros.

Caso o professor veja a necessidade, é possível realizar aulas individuais com cada aluno para entender o que eles estão estudando em casa e orientá-los sobre como preencher as lacunas de conteúdo. Essa sessão individual pode, principalmente em casos de estudantes mais novos, envolver os pais para que eles deem apoio ao filho no estudo em casa.

Professores podem conferir mais informações e materiais de apoio que oferecemos em nosso site para entender melhor sobre como lidar com a situação.

Estudando em casa: como os pais podem ajudar?

Já falamos um pouco sobre como os pais podem apoiar seu filho durante o processo de aprendizado, mas iremos dar mais algumas dicas. Afinal, seu papel é muito importante nesse processo e é possível, por exemplo, dar o melhor apoio somente demonstrando interesse e elogiando as crianças e adolescentes pelo seu esforço.

Nesse caso pontual de precisar estudar um pouco mais para preencher um “gap” no conhecimento, os adultos devem estar bem alinhados com os professores em quais habilidades que seu filho precisa treinar e qual o nível em que ele está e aonde precisa chegar. Dessa forma, por mais que não tenha o conhecimento profundo no idioma, o pai, a mãe ou o responsável pode – ao menos – acompanhar as atividades em casa e até mesmo incluir o idioma na rotina.

Aqui vão alguns exemplos:

  • Ler uma história para dormir em inglês
  • Assistir programas de TV em inglês
  • Ouvir músicas em inglês
  • Ler notícias em inglês
  • Usar aplicativos educacionais em um tablet / telefone celular
  • Ir às compras com uma lista de compras em inglês
  • Cozinhar uma refeição com uma receita em inglês
  • Ler um mapa e dar orientações de direção em inglês
  • Jogar um jogo de tabuleiro em inglês
  • Gravar qualquer palavra em inglês que ouça e veja (inclua fotos ou recortes de imagens de revistas)
  • Fazer viagens educativas.

Além disso, os pais podem contar com o nosso site. Lá, encontrarão diversas atividades para experimentar em casa e outras dicas importantes para apoiar seus filhos enquanto eles aprendem um novo idioma.

O apoio faz toda a diferença!

Quando o aluno está encontrando muitas dificuldades e se sente “para trás” do restante da turma, seu nível de motivação e engajamento pode cair. Por isso, é essencial receber apoio tanto na escola, quanto em casa. Dessa forma, ele entende que consegue adquirir o conhecimento necessário e em breve estará no mesmo nível que seus colegas. Tudo isso sem perder a motivação dentro ou fora da sala de aula. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.