Dia da língua inglesa: motivos pelos quais você precisa dominar o idioma

Nathalia

23 de abril de 2019 | 16h03

Dia 23 de abril é celebrado o Dia da Língua Inglesa. A definição partiu da Organização das Nações Unidas (ONU) e não se sabe ao certo o motivo da sua escolha, mas existem duas hipóteses mais prováveis para explicar: a de que seria uma homenagem a William Shakespeare, já que é a data de morte do autor que teria inventado mais de 1.700 palavras no idioma ou que seria em função de ser o dia de São Jorge, santo padroeiro da Inglaterra.
De qualquer maneira, o fato é que a língua inglesa é hoje uma das mais faladas do mundo e se tornou, com o passar do tempo, extremamente importante diante da globalização, seja para uso pessoal em estudos ou viagens ou para o uso profissional na carreira. É só reparar bem na quantidade de palavras do idioma que usamos no nosso cotidiano: shopping, pet shop, notebook, delivery, stress, fast food, light, fitness, show, email, design, entre tantas outras incontáveis.
Mas, você sabe ao certo os motivos que podem te incentivar a parar de adiar o aprendizado da língua? Confira alguns:

Intercâmbio
A vivência no exterior é um sonho para muita gente. Seja para viajar ou fazer um intercâmbio, a língua mais falada ao redor do mundo é o inglês. Ou seja, ela se torna a porta de entrada para vários destinos do exterior. E justamente por isso que dominar o idioma é tão importante para quem pretende ter alguma experiência fora do Brasil.
Além disso, para quem deseja estudar em universidades internacionais, prestar atenção na obrigatoriedade dos exames de proficiência em inglês como forma de comprovação do domínio do idioma é extremamente importante. Isso porque, eles legitimam as habilidades dos candidatos de se comunicar em graus específicos em outras línguas que não a sua nativa. É essa garantia de domínio do idioma para o entendimento de uma aula, para a comunicação com os colegas, para a leitura de documentos e para a escrita de trabalhos, por exemplo, que faculdades e empresas querem encontrar nos candidatos que analisam.
Especificamente para quem busca o certificado para processos seletivos de graduação, mestrado ou doutorado em universidades estrangeiras, o mais indicado é que o candidato foque os exames que atendam a partir do nível B2 do Quadro Comum Europeu de Referência para Línguas (CEFR), pois será exigida escuta, leitura, apresentações e todo tipo de comunicação e interação em inglês. Isso corresponde a um nível intermediário superior. Ou seja, não há mágica para alcançar esse patamar: apenas a aplicação aos estudos, que quanto mais cedo começar antes trará retorno.

Quesito desejável entre os empregadores
Aprender inglês já deixou a muito tempo de ser um diferencial e passou a ser algo obrigatório quando o assunto é mercado de trabalho. Ter o domínio do idioma te abre inúmeras portas: desde cargos mais altos até oportunidades de trabalho no exterior. Apesar disso, muita gente ainda não despertou para essa importância. Uma pesquisa conduzida por Cambridge English em conjunto com a QS Intelligence Unit, apontou que um em cada cinco gestores da liderança dos negócios globais ainda não possui os conhecimentos de língua inglesa necessários para atender a expectativa das empresas.
Ou seja, quem está melhor preparado possui uma grande vantagem competitiva em relação a concorrência nos processos seletivos. E, além disso, a maioria das empresas oferece um melhor pacote de benefícios e uma progressão mais rápida para aqueles que possuem bons conhecimentos de língua inglesa.

Impacto na saúde
Com os avanços da medicina a expectativa de vida das pessoas cresce cada vez mais. Apesar disso, ainda é um desafio manter-se produtivo, ativo e saudável intelectualmente ao envelhecer. Mas, um dos segredos pode estar no treino ou no aprendizado de um segundo idioma. E por que não o inglês?
Neurocientistas da Universidade de Alberta, no Canadá, identificaram diferentes fatores para manter a memória saudável e evitar seu declínio em pessoas com mais de 55 anos. Dentre eles, aprender e treinar um segundo idioma está presente. As atividades cognitivas podem ajudar e estimular a memória, fazendo com que ela não tenha declínios ao longo da idade.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.