Critérios para um resultado positivo e os tipos de exames de certificação em inglês

Nathalia

31 de janeiro de 2019 | 17h09

Estudar em uma universidade fora do Brasil requer muito planejamento em função do processo de admissão, já que ele leva em conta não só o perfil do estudante, mas também seu desempenho acadêmico. Quando a ideia é estudar fora do país, as exigências das instituições estrangeiras vão desde o histórico de notas do aluno traduzido até a comprovação da fluência no inglês por meio de um exame internacional de proficiência da língua.
E quase sempre essa etapa de certificação gera muitas dúvidas e inseguranças por ser um tema possivelmente inédito para o candidato e ele ainda não conhecer a maioria dos processos, além de não estar habituado com os critérios de avaliação do exame para o qual ele está aplicando. Mas, esse estranhamento inicial pode ser amenizado com conhecimento. Para isso, o primeiro passo é definir qual é o exame que melhor apoia os objetivos e necessidades pessoais do aluno.
A partir disso é preciso entender qual é o formato da prova, quais habilidades são testadas, quais são os critérios levados em consideração para alcançar o resultado pretendido. Esse tipo de informação pode ser encontrado com facilidade no portal das universidades e nos próprios centros aplicadores dos exames.
De início, é importante atentar-se sobre a existência de diferentes tipos de provas e a forma de correção de cada uma. Esses são detalhes que nem sempre ficam muito explícitos durante uma pesquisa rápida, mas são fáceis de esclarecer. Veja, para facilitar o entendimento, vamos usar o portfólio de Cambridge Assessment English como exemplo. Abaixo falaremos sobre a diferença dos testes construídos a partir do princípio de multinível e dos exames desenvolvidos com base no domínio de níveis.
Os exames level-based são aqueles construídos com base no domínio de um nível específico e que conferem certificados sem validade especificada pelo emissor. Sua elaboração leva em conta o processo do aprendizado e do estudo como um todo e a lógica que guia o resultado é que apenas quem absorveu o conhecimento de maneira sólida conseguirá atingi-lo. A partir disso, entende-se que dificilmente esse domínio será perdido. É o caso do B2 First, que leva em consideração conhecimentos de nível intermediário superior; do C1 Advanced, uma qualificação de nível avançado (ou independente); e do C2 Proficiency, qualificação internacional de mais alto nível de proficiência na língua inglesa, que figuram na lista dos mais aceitos pelo mundo.
Nesse formato, as provas sempre avaliam as quatro habilidades fundamentais de forma orientada e consideram para o sucesso o cumprimento das tarefas pedidas. São elas speaking (produção oral), listening (compreensão auditiva), reading (leitura) e writing (escrita). As partes voltadas ao listening e ao reading tendem a apresentar questões mais objetivas em formato de múltipla escolha e de preencher lacunas. No writing é avaliada a coerência e a coesão do texto. O examinador checa se o candidato sabe usar referências e se as frases escritas fazem sentido. E isso vai muito além de apenas ter a gramática correta. Já para o speaking os critérios são pronúncia e coerência. O resultado disso tudo é um certificado internacional isento e de muito prestígio, aceito pela maioria das universidades fora do país.
Já os testes multinível, como é o caso do Linguaskill, podem ser explicados, para facilitar o entendimento, como provas de diagnóstico. Independente de como o candidato tenha se preparado, eles medem o desempenho de cada pessoa dentro de uma escala. Ou seja, seu resultado é mutável e, por isso, geralmente o relatório emitido a partir da experiência possui prazo específico de validade, assim como cada instituição determina o intervalo de nota que será aceito. Além disso, nem sempre eles avaliam as quatro habilidades. Há casos em que é possível escolher qual delas você quer testar individualmente. Outra particularidade é que a avaliação oral é realizada de forma individual, uma vez que não tem como prever se todos os alunos possuem o mesmo nível de inglês para conversarem entre si.
Saber essas informações para usá-las a favor do sucesso representa um diferencial no momento da escolha, no período preparatório e no cuidado para os estudos. Antes de tomar qualquer decisão, leve em conta todos os pontos citados acima: a necessidade de se ambientar ao tipo de prova, os critérios de correção e os pontos que serão cobrados na avaliação.

Tendências: