Vélez terá terceira reunião seguida com Bolsonaro; clima no MEC é de apreensão

Renata Cafardo

12 de março de 2019 | 10h26

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, terá nesta terça-feira, pelo terceiro dia consecutivo, uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro. Ontem, o ministro pediu a conversa para relatar o motim contra ele que estava se formando na pasta depois que os funcionários ligados ao filósofo Olavo de Carvalho foram afastados. Segundo fontes, presidente e ministro combinaram uma nova reunião para hoje, mas servidores do MEC estão em compasso de espera.

O temor é, mais uma vez, que Vélez seja demitido. Olavo voltou a fazer crítica a ele e as seus subordinados em suas redes sociais. Ontem, ventilaram notícias de que ele já havia até sugerido novos nomes ao presidente.

O clima, segundo funcionários de carreira e alguns gestores dentro da pasta, é de insegurança. Editais deixam de ser assinados porque não se quer assumir responsabilidades sem a garantia de que continuarão no cargo. Muitos temem que decisões importantes deixem de ser tomadas nesses dias de apreensão. Algumas delas se referem à avaliações, como o Enem.

Outros reclamam que resultados positivos não estão sendo divulgados por causa da confusão causada por olavistas e militares. “Nós só queremos trabalhar”, disse um deles. “A Educação é assunto sério demais para ser prejudicada por jogos de poder e picuinhas.”

Na tarde desta terça-feira, Vélez tuitou matérias que mostram Bolsonaro dizendo que ele continua ministro. E, em seguida, escreveu “Estamos 100% alinhados com o Planalto e agora mais do que nunca focados na real mudança da educação no país e sempre ouvindo a voz de todos vocês. Seguiremos com a Lava Jato da Educação”. O encontro como presidente está marcado para as 16h30.

 

Tendências: